Colunas Tefé minha saudade

1º de agosto: Dia Nacional do Selo (Por Raimunda Gil Schaeken)

Professora Raimunda Gil Schaeken(AM)
Redação
Escrito por Redação

No dia 1º de agosto é comemorado o Dia Nacional do Selo. O motivo desta comemoração deve-se à publicação do primeiro selo no Brasil, em 1843, a pequena estampilha que resolveu o problema mundial das correspondências. Houve épocas em que as cartas eram pagas no destino e se o destinatário não tinha o valor que pudesse pagar, a correspondência era devolvida.
Contam que um elegante senhor inglês passeava pelo bosque, tranquilamente, quando ouviu uma acalorada discussão. Parou para escutar o que estava havendo. Viu um enraivecido carteiro discutindo com uma donzela que queria receber a carta sem pagar. O senhor, penalizado, percebendo que a carta era do namorado da moça, ofereceu-se para pagar a despesa da correspondência. O carteiro e a moça não aceitaram. A moça pegou a carta, olhou o envelope de um lado e outro e devolveu. O carteiro, furioso, explicou que era assim todos os dias, as pessoas olhavam os envelopes e devolviam. Por isto ele era sempre quem “pagava o pato”, pois seus superiores lhes chamavam atenção e diziam-no desinteressado. Além disso, andava ele para cima e para baixo com aquele volume enorme de cartas e quase todas eram devolvidas.

Finalmente, o senhor convenceu o carteiro a aceitar a moeda oferecida e mandou-o embora. Curioso, o observador senhor perguntou para a moça qual era o segredo daquela história toda. Ela enrolou, enrolou e contou a verdade: não havia carta nenhuma. Como o namorado havia viajado para juntar dinheiro para o casamento, não gastava papel, apenas combinaram um código. Haveriam pequenos sinais nos cantinhos do envelope e os dois ficavam sabendo que estava tudo dentro do combinado. Os demais moradores da aldeia descobriram o segredo e também faziam o mesmo.

Acontece que o bondoso senhor era Sir Rowlad Hill, diretor dos Correios, que, em um dia primaveril de 1838, aproveitava as férias para passear. Riu muito do acontecido e ficou feliz por descobrir aquele segredo que também o estava incomodando. Pensou muito e nasceu a ideia de anexar um recibo à carta, paga adiantadamente, e isto funcionou muito bem até meados de 1840. Não houveram mais devoluções e as distâncias percorridas pelos carteiros não eram mais em vão.

Em maio de 1840, por ideia do inteligente Sir, foram emitidos os primeiros selos postais. Tão logo foi conhecida sua praticidade, o selo foi rapidamente assimilado em vários países. Ao emitir selos para uso em território nacional e exterior, em agosto de 1843, o Brasil foi comprovadamente o segundo país a emitir selos no mundo, depois da Inglaterra.

O selo, sem dúvida, foi das mais importantes contribuições na área das comunicações, bastando analisar o volume de correspondências emitidas em todo mundo. Há também o precioso interesse dos filatelistas nesta valiosa coleção. No Brasil, quem possuir as séries OLHOS DE BOI (1843), INCLINADOS (1844), OLHOS DE CABRA (1850) e os OLHOS DE GATO (1854), terá, com certeza, uma fortuna avaliada em alguns milhões de dólares.

Com o passar dos anos, em 1938, surgiu o primeiro selo comemorativo, em homenagem à primeira Exposição Filatélica Internacional- BRAPEX, no Rio de Janeiro. A partir da ECT, em 1969, artista plásticos e desenhistas promissores foram contratados para melhorar a qualidade das estampas nas novas emissões da Casa da Moeda, que foi reequipada para garantir uma emissão compatível com os novos padrões.

Esta comemoração é a ideal para incentivar a criança a começar a organizar sua coleção de selos que poderá ser por países ou por motivos: flores, paisagens, animais etc.

“Selo é arte, é história, é cultura. Selo é movimento em prol de grandes causas, é vitrina de grandes acontecimentos, é arauto de grandes feitos, é o Olimpo de grandes figuras”.( Raimunda Gil Schaeken – Tefeense, professora aposentada, católica praticante, membro efetivo da Associação dos Escritores do Amazonas – ASSEAM e da Academia de Letras, Ciências e Artes do Amazonas – ALCEAR)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.