Brasil

A juventude mostra força: 300 escolas ocupadas só no Paraná

A juventude mais uma vez mostra o caminho/Foto: Divulgação
Redação
Escrito por Redação

Das 2144 escolas de todo o estado do Paraná hoje 300 encontram-se ocupadas pelos secundaristas, contra os ataques do governo golpista como a PEC 241, a Reforma do Ensino Médio e a Escola sem Partido, assim como publicamos em nota do nosso correspondente direto de Curitiba Thiago Régis. Que além de expressar o avanço das ocupações em todo estado, demonstrou o nível de organização e cuidado da juventude com a escola pública, assim como fizeram os secundaristas de SP em 2015.

As ocupações só crescem, e na próxima semana contarão com a unidade dos professores que entrarão em greve a partir de segunda (17), fortalecendo uma luta necessária que serve de exemplo para o conjunto do País, e com quem estarão lado a lado no próximo ato marcado na capital paranaense dia (21). Ainda contam com o apoio dos estudantes universitários da Unioeste em Marechal Cândido Rondon, que ocuparam o campus em apoio aos secundaristas.

A juventude mais uma vez mostra o caminho/Foto: Divulgação

A juventude mais uma vez mostra o caminho/Foto: Divulgação

A juventude mais uma vez mostra o caminho, que é oposto do trilhado pelo PT da CUT e UNE, que ao contrário de incendiar o país organizam mobilizações midiáticas, como a recente no escritório da presidência da república. Ou mesmo os chamados de greve geral, para barrar as reformas da previdência e trabalhista, mas que não saem dos boletins, e se colocam como freio concreto, a exemplo disso vimos as mobilizações dos dias 22 e 29, que separaram funcionalismo público (inclusive bancários que estavam em greve) e metalúrgicos.

Por isso é fundamental se apoiar nos exemplos mais vivos da luta de classes, como é o Paraná nesse momento, e seguir exigindo que as centrais sindicais que dirigem os principais sindicatos do país, saiam em luta contra imediatamente, organizando uma greve geral real, e coloquem nas ruas, em unidade com a juventude, o sujeito ainda oculto nesse processo, a classe trabalhadora do país de 12 milhões de desempregados, e ameaçada de perder seus direitos. Apenas assim é possível barrar os ajustes do governo golpista de Temer que estão sendo votados a toque de caixa, a serviço dos empresários, da mídia e do imperialismo.

Fonte: Esquerda Diario

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.