Cidades

Acadêmicos denunciam falta de compromisso da Unip com o curso de Serviço Social junto ao MEC

Os alunos do Curso de Serviço Social denunciaram o caso na Comissão da Defesa do Consumidor - foto: Foto: Tiago Corrêa - DIRCOM/CMM
Redação
Escrito por Redação

Estudantes do 3º e 6º períodos do curso de graduação semipresencial em Serviço Social da Universidade Paulista (Unip) estiveram na manhã desta quinta-feira (2), na Comissão de Defesa do Consumidor (Comdec) da Câmara Municipal de Manaus (CMM), para denunciar as deficiências do curso junto ao Ministério da Educação (MEC), além das péssimas condições estruturais do prédio da instituição.

O grupo de acadêmicos, representantes do curso de Serviço Social da Unip e do Conselho Regional de Serviço Social (Cress-AM) estiveram reunidos com o presidente da Comdec/CMM, vereador Álvaro Campelo (PP), para discutir as irregularidades.

Conforme o Conselho Regional de Serviço Social do Amazonas (Cress-AM), se hoje, os alunos do curso apresentasse a documentação requerendo inscrição no Conselho da Categoria, o mesmo seria negado, devido o curso não está regular junto ao MEC e a entidade de classe.

Os alunos do Curso de Serviço Social denunciaram o caso na Comissão da Defesa do Consumidor - foto: Foto: Tiago Corrêa - DIRCOM/CMM

Os alunos do Curso de Serviço Social denunciaram o caso na Comissão da Defesa do Consumidor – foto: Tiago Corrêa – DIRCOM/CMM

Álvaro Campelo afirmou que irá encaminhar as denúncias à Comissão de Educação da Casa Legislativa e também à Delegacia de Defesa do Consumidor, para que as medidas cabíveis sejam tomadas.

“Estamos diante de uma denúncia extremamente grave. Uma universidade oferecendo um curso que está irregular e a representante do Conselho dizendo que, ao terminarem o curso, não vão poder se credenciar para atuar como assistentes sociais”, explicou o presidente do Comdec Álvaro Campelo.

Campelo assegura que espera providências dos órgãos competentes e da própria instituição no sentido de regularizar a situação do curso e as condições estruturais em que se encontra o prédio, como banheiros em péssimas condições de uso, além das goteiras no telhado.

Após a reunião, os acadêmicos do curso ficaram de formalizar a denúncia no Ministério Público Federal (MPF), conforme assegurou Rosana Pereira da Silva, ao assegurar que os estudantes já tiraram todas as dúvidas quanto à situação de irregularidade do curso junto ao MEC, Conselho de Serviço Social e até na coordenação do curso.

“Não existe reconhecimento do curso, não tem credenciamento, não tem autorização junto ao MEC, junto ao Conselho de Serviço Social. E até agora a coordenação não conseguiu provar com documentos quem realmente responde pelo curso, mas garantiu em duas semanas solucionar o problema, caso contrário iremos acionar o Ministério Público, podendo acarretar na suspensão do curso”, disse.

Bárbara Ramos Vasconcelos, responsável pela coordenação do curso, afirmou que o curso está autorizado e em processo de reconhecimento, faltando apenas visita dos técnicos do MEC. Entretanto, os argumentos não convenceram os estudantes.

Campelo ressaltou que alunos de outras Instituições de Ensino Superior (IES) que estejam passando pela mesma situação, que procurem o Comdec, da CMM para denunciar para que medidas sejam tomadas.

 

Com informações da assessoria

 

 

 

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

1 comentário

  • Estudei nessa faculdade e a cordenadora nao resolve nada a 1 ano estou lutando para ter direito de ver a minha prova que segundo eles eu teria ficado reprovada e eu tenho certeza que nao fiquei porem a cordenadora faz descaso me tratou com ironia quando estava de resguardo e me falou q ela nao me devia favor e terei que pagar 100 reais um absurdo a 1 ano luto para ter o direito devapenas ver a minha prova e a sra em queatao faz descaso.

error: Ops! não foi dessa vez.