Amazonas Destaques

AM também decretada guerra ao Aedes no Dia de Mobilização Nacional

Governador abre a campanha, com ministro Berzoine presente/Foto: Valdo Leão
Redação
Escrito por Redação

Com a palavra de ordem “estamos em guerra contra o Aedes aegypti”, foi feito, na manhã de hoje, sábado (13), o lançamento oficial do Dia “D” de Mobilização e Combate ao mosquito que transmite Dengue, febre Chikungunya e Zika vírus, na Vila Olímpica de Manaus, com a presença do governador, José Melo, do prefeito de Manaus, do senador Omar Aziz, do comandante Militar da Amazônia, general Guilherme Cals Theófilo e do secretário de Governo da Presidência da República, ministro Ricardo Berzoini, entre outras autoridades civis e militares.
No Estado, as ações do Dia Nacional de Mobilização, que se estende por todo o território brasileiro, está nas ruas desde às 6h deste sábado, com a participação, segundo o prefeito Arthur Neto, de mais de 20 mil agentes, dentre os quais 7,6 mil militares das Forças Armadas e 11,2 mil trabalhadores da saúde e de áreas afins como a Educação, além de equipes de voluntários.

“Estamos todos aqui juntos para enfrentarmos um inimigo comum para que a gente possa combater na origem essas doenças todas decorrentes do mosquito.” Disse o governador José Melo, ao destacar como fundamental a presença dos militares. “As Forças Armadas vão nos dar aquela estrutura organizacional que precisamos para que possamos chegar a todas as casas com aquela mensagem didático-pedagógica e cada um cumpra seu papel”.

Segundo o governador, o Amazonas já tem um know-how no combate ao Aedes aegypti. “Temos uma certa experiência, desde quando estourou a Dengue anos atrás e fizemos um trabalho que inclusive serviu de modelo para o restante do Brasil. Estamos utilizando o mesmo mecanismo, a mesma estrutura, a mesma organização e o mesmo conceito que é de união” disse o governador.

Apesar de ser um dos estados com menor número de casos de Dengue, Chikungunya e  Zica Vírus, conforme reconheceu o ministro Ricardo Berzoini, durante a entrevista, tanto o governador quanto o prefeito fizeram questão de ressaltar que meta é zerar os casos. O trabalho de combate ao Aedes aegypti foi o iniciado ainda em dezembro passado quando Governo e Prefeitura decretaram situação de Emergência na capital e nos municípios e intensificaram as ações integradas.

Mobilização –  Em Manaus, as ações do Dia de Mobilização, organizadas pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), em parceria com a Secretaria de Estado (Susam)  têm a meta de inspecionar 72.813 imóveis, em 43 bairros, distribuídos por todas as zonas da cidade. No interior, a estimativa é que sejam visitados 26.940 domicílios, nos 38 municípios infestados pelo Aedes aegypti. Assim como na capital, as ações do Dia de Mobilização estão sendo executadas pelas secretarias municipais, com o apoio da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), que é vinculada à Susam.

O prefeito Arthur Neto ressaltou que além das residências abertas, os agentes irão entrar nas casas fechadas ou que estejam abandonadas e que representarem risco para outras residência, conforme assegura uma Medida Provisória decretada pelo Governo  Federal. “Nós vamos entrar nas casas abandonadas, respaldados pela Medida Provisória emitida pela presidente Dilma, que permite, com toda a legalidade e as devidas testemunhas, que se entre nas casas fechadas, para que que não prejudiquem todo o quarteirão. A preocupação é a vida das pessoas, a grávida e a economia, porque se não dermos uma resposta pujante agora vamos ter problemas com a vinda de turistas nas Olimpíadas”, disse o prefeito.

O ministro Ricardo Berzoini destacou que agora a mobilização é de todos, inclusive internacional. “Se não houver uma  mobilização em cada casa, em cada propriedade comercial, em cada local onde possa haver criadouro, todo o esforço governamental e daqueles que estão mobilizados serão vencidos pela omissão de uma parcela minoritária que não se mobiliza”, disse o ministro, ao ressaltar que a Medida Provisória permite, de maneira criteriosa, em situação de casas fechadas e abandonadas, que possa haver o ingresso dos agentes de saúde e das Forças Armadas. Berzoini também destacou a necessidade de vigilância permanente em regiões de fronteira, como o Amazonas, o que segundo ele já está sendo feito e disse que, apesar de apresentar números favoráveis, o Amazonas não pode descuidar do Aedes Aegypti.

“Aqui foi feito um trabalho muito intenso de prevenção e os números são positivos, mas há um processo de cautela, prudência e prevenção. Não podemos diante de números favoráveis, como o Amazonas apresenta nesse momento, descuidar da ação de prevenção. De fazer o cuidado em relação à Dengue, febre Chikungunya à Zika, e principalmente o acolhimento às mães e crianças no caso da Microcefalia.

O secretário de Estado de Saúde, Pedro Elias destaca a importância da ação, que pretende, principalmente, conscientizar e orientar a população sobre o combate ao mosquito que, hoje, representa um risco triplo à saúde das pessoas. “O sucesso desse trabalho depende enormemente do engajamento da população nas ações preventivas. Precisamos redobrar a atenção em relação aos possíveis focos do mosquito, seja no ambiente doméstico, no trabalho, nas escolas, enfim, onde possa haver situações que contribuam para a proliferação do vetor do vírus que causa a Dengue, Chinkungunya e, nossa maior preocupação no momento, a febre Zika”, diz Pedro Elias. Para o secretário, a forma mais eficiente de prevenir as doenças transmitidas pelo Aedes aegypti seria a adoção de vacinas, mas como os estudos nesse sentido ainda estão em andamento, resta combater o vetor.

No país – O Governo Federal estima que, em todo o País, o Dia Nacional de Mobilização para o Combate ao Aedes aegyti alcance três milhões de famílias, que deverão ser visitadas em suas casas, em 350 municípios. A presidente Dilma Roussef determinou inclusive o deslocamento de ministros e técnicos do Governo a vários estados a fim de participar ativamente da mobilização. Para Manaus, foi destacado o titular da Secretaria de Governo da Presidência da República, Ricardo Berzoini.

Indicadores – No ano passado, segundo indicadores da Fundação de Vigilância em Saúde, o Amazonas registros 7.835 casos de Dengue, com redução de 30,6% em relação ao ano anterior, quando foram notificados 11.300 casos da doença. Em relação ao Chikungunya, 2015 fechou com a notificação de 170 casos da doença. O balanço sobre o Zika vírus, por sua vez, mostram 380 notificações feitas, neste ano, no Estado, sendo 25 confirmados, 7 deles em gestantes.

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.