Mundo

Aos 87 anos morre Eliezer ´Elie´ Wiesel, Nobel da Paz em 1986

Eliezer "Eliel" Weisel, sobreviveu ao holocausto/Foto: Reuters
Redação
Escrito por Redação

Eliezer “Elie” Wiesel, sobrevivente dos campos nazis do Holocausto, vencedor do Prémio Nobel da Paz em 1986 e activista pelos direitos humanos, morreu hoje, sábado, aos 87 anos, de acordo com o Museu Memorial do Holocausto Yad Vashem, em Israel.
Nascido em 1928 na Roménia, Wiesel ficou conhecido por manter vivas as suas memórias do Holocausto com o livro Noite, baseado nas suas experiências enquanto adolescente nos campos de concentração de Auschwitz, Buna, e Buchenwald, e pelo papel determinante que teve em promover a educação sobre o Holocausto.

Wiesel “deu expressão à vitória do espírito humano sobre a crueldade e o mal, através da sua extraordinária personalidade e dos seus livros fascinantes”, reagiu o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, que diz ter sido “abençoado” por ter conhecido o Nobel da Paz e ter podido aprender “pessoalmente” com ele.

“Na escuridão do Holocausto, na qual os nossos irmãos e irmãs foram mortos — seis milhões —, Elie Wiesel foi um raio de luz e um exemplo de humanidade que acreditava na bondade das pessoas”, acrescentou Netanyahu, num comunicado divulgado pela imprensa israelita.

Quando lhe atribuiu o Nobel da Paz, o Comité Norueguês explicou que o Prémio lhe era devido pelo “trabalho em defesa da paz, da redenção e da dignidade humana”.

O ex-Presidente de Israel Shimon Peres lembrou alguém que “sobreviveu aos maiores horrores da humanidade e escolheu dedicar a sua vida a espalhar a mensagem – ‘nunca mais’”.

Wiesel fez parte do Concelho de Memorial do Holocausto dos Estados Unidos entre 1980 e 1986 e teve um grande papel na criação do Museu do Memorial do Holocausto dos Estados Unidos, em Washington. À entrada do museu, figuram as suas palavras: “Pelos mortos e pelos vivos, temos que passar o testemunho”. Durante a sua vida, usou o seu estatuto de sobrevivente do Holocausto para falar não só sobre este acontecimento, como para chamar a atenção sobre outras situações de genocídio em todo o mundo, como em 2006, quando apareceu ao lado de George Clooney antes de uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas, para alertar sobre a crise humanitária no Darfur.

Natural da cidade de Sieghet, a família de Wiesel sofreu as consequências da anexação da cidade por parte da Hungria em 1940, que obrigou todos os judeus a mudarem-se para dois guetos. Em Maio de 1944, os nazis, com a autorização da Hungria, deportaram a comunidade judaica de Sieghet para o campo de concentração de Auschwitz-Birkenau. Então adolescente, Wiesel foi enviado para o campo de trabalhos de Buna Werke com o seu pai, Shlomo Wiesel, onde foram forçados a trabalhar durante oito meses antes de ser transferidos para outros campos de concentração perto do final da guerra.

Shlomo Wiesel, subnutrido e com uma inflamação nos intestinos, morreu depois de ser violentamente agredido por um soldado alemão, a 29 de Janeiro de 1945. A mãe Sarah e a irmã mais nova Tzipora também não sobreviveram ao Holocausto, acontecimentos que viria a recordar no livro de memórias, em 1955.

Depois da guerra, Wiesel e outros jovens sobreviventes foram enviados para um orfanato em Écouis, França, pela organização humanitária judaica Oeuvre de Secours aux Enfants, onde viveu durante muitos anos e se reencontrou com a única família directa que lhe restava, as irmãs mais velhas Beatrice e Hilda.

Wiesel prosseguiu depois os estudos em literatura, filosofia e psicologia em Sorbonne, mas nunca chegou a concluí-los, tornando-se depois jornalista em várias publicações francesas e israelitas. Visitou o estado de Israel em 1949 como correspondente para o jornal francês “L’arche”. e cobriu, ainda, o julgamento do nazi Adolf Eichmann para o jornal judaico “The Forward”.

Apesar do efeito traumático que o Holocausto teve na sua vida, Elie Wiesel só começou a escrever sobre as suas vivências depois de uma conversa em 1954, com o Nobel da Literatura francês, François Mauriac. A primeira versão do seu livro tinha 800 páginas e tinha como título E o mundo ficou silencioso, originalmente escrita em iídiche. Wiesel escreveu em 1958, uma versão mais curta em francês, Nuit, que vendeu até hoje mais de seis milhões de exemplares e está traduzida em 30 línguas. Noite viria a formar parte de uma trilogia de memórias sobre o Holocausto, que incluiria Amanhecer e Dia. Foram mais de 40 os livros de ficção e não-ficção escritos por Elie Wiesel.

Em 1955, depois de passar uma temporada nos EUA a fazer a cobertura da actividade das Nações Unidas, candidatou-se à residência permanente e tornou-se um cidadão americano em 1963, a primeira nacionalidade que teve depois de ficar apátrida durante o Holocausto.

Além da carreira como escritor, Wiesel foi professor de Estudos Judaicos entre 1972 e 1976 na City University of New York, ensinou Humanidades e Pensamento Social na Universidade de Yale entre 1982 e 1983 e foi, novamente, professor de Estudos Judaicos na Universidade de Columbia entre 1997 e 1999.

Wiesel recebeu inúmeras distinções ao longo dos anos, incluindo a Medalha Presidencial de Liberdade dos EUA, a Grand-Croix da Legião de Honra de França e o título de Cavaleiro da Ordem do Império Britânico. Recebeu, ainda, mais de cem doutorados honorários e o Prix Medicis de França pelo seu livro “Um mendigo em Jerusalém”, que descreve a resposta dos judeus à reunificação de Jerusalém depois da Guerra dos Seis Dias.(UOL)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.