Amapá Amazônia

AP: falta de dinheiro pode impedir obras do aeroporto de Macapá, diz senador

Redação
Escrito por Redação

Reiniciada em setembro após quase dez anos parada, a construção do novo aeroporto internacional de Macapá Alberto Alcolumbre corre risco de ser novamente interrompida em 2016. A possibilidade foi levantada pelo senador amapaense Randolfe Rodrigues (Rede), que informou a liberação de apenas R$ 10 milhões para as obras por parte da União.

De acordo com o parlamentar, os recursos necessários para a construção do terminal aeroportuário passam as cifras de R$ 130 milhões. O desembolso para a obra, no entanto, ficou em apenas R$ 10 milhões, menos de 10% do necessário para entregar a estrutura.

“Foi liberado R$ 10 milhões neste ano, o que não dá para tapar o buraco porque o orçamento das obras do aeroporto é de R$ 135 milhões. Vamos aguardar que exista uma liberação maior, de pelo menos R$ 80 milhões em 2016 para que a gente atinja a meta de inauguração para 2018″, comentou o senador.

A proposta do parlamentar é reunir a bancada federal composta por oito deputados e três senadores para fazer uma “maratona nos ministérios” a fim de impedir que o contingenciamento de recursos pela União impeça a paralisação das obras.

“Era para ser liberado zero, mas com muita pressão conseguimos R$ 10 milhões. O governo vai contingenciar e teremos que pressionar os ministérios. Corre [de as obras serem paralisadas], se não tiver atuação da bancada. (…) Aquela festa foi pela liberação de R$ 10 milhões, o que não representa 10%. Vou pedir uma nova reunião com a União e propor maratona nos ministérios”, disse Randolfe, em referência ao evento feito em Macapá para anúncio da retomada das obras do aeroporto.

A construção do novo aeroporto teve início em 2004, mas foi paralisada em 2007 após o Tribunal de Contas da União (TCU) apontar suspeitas de fraude e desvio de R$ 113 milhões em verbas. A investigação resultou na Operação Navalha, da Polícia Federal (PF).

O novo edital lançado em junho de 2014 passou por outra auditoria do TCU, que liberou o reinício das obras, de responsabilidade do consórcio EPC-WVG, vencedor do certame através da modalidade Regime Diferenciado de Contratações (RDC).

A construção prevê para dezembro de 2016 o início das atividades no novo terminal de passageiros, que terá a capacidade de viajantes aumentada de 750 mil para 5 milhões por ano.

A estrutura será construída em uma área ao lado da atual com 26 mil metros quadrados, cinco vezes maior que o complexo existente.

Além do terminal de passageiros, está prevista a conclusão do acesso viário, ampliação da pista de aeronaves, estacionamento e pontes de embarque, com conectores, elevadores e escadas rolantes. A segunda etapa do empreendimento, prevista para 2017, contempla a construção de outro pátio para aviões, além de uma área administrativa.

(The New Yooker Times Notícias Brasil)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.