Mundo

Após cinco anos de viagem, sonda Juno entra em órbita de Júpiter

A alegria pelo êxito da missão/Foto: EFE
Redação
Escrito por Redação

A sonda Juno da Agência Espacial Americana (Nasa), nave espacial movida pela energia solar que viajou mais longe no espaço, chegou ontem, segunda-feira (04), após uma viagem de cinco anos para a órbita de Júpiter, onde dará 37 voltas antes de bater em sua superfície.
Juno, lançada no dia 5 de agosto de 2011, entrou para a órbita do planeta às 23h54 de segunda-feira na costa leste dos Estados Unidos (0h54 de Brasília), como estava previsto pela Nasa.

A nave, não tripulada e do tamanho de uma quadra de basquete, é a primeira projetada para operar no coração dos cinturões de radiação de Júpiter, além de conseguir chegar a 2.575 quilômetros de suas nuvens superiores e que registrará imagens com maior resolução nunca vistas do maior planeta do Sistema Solar.

Por volta das 23h20 (0h20 de Brasília), Juno desligou seu motor principal para reduzir sua velocidade, e fazer uma manobra de inserção em órbita que durou 35 minutos, como tinham previsto os cientistas que dirigem a missão da Nasa, a partir de Pasadena (Califórnia).

Uma vez em órbita em torno de Júpiter, Juno vai se aproximar do topo das nuvens do planeta a cada 14 dias até terminar a missão em fevereiro de 2018, quando está previsto o choque intencional na atmosfera do planeta.

Esta é a primeira vez que uma sonda orbita os pólos de Júpiter, que irá fornecer novas respostas para os mistérios sobre seu núcleo, composição e campo magnético.

A sonda também será a primeira a observar o que está embaixo das densas nuvens do planeta, por isso a missão leva o nome da deusa Juno, irmã e esposa de Júpiter, que segundo a mitologia romana, podia ver através das nuvens.

Para a Nasa, esta missão representa “dar um passo gigante para a compreensão de como os planetas gigantes se formaram e o papel que desempenharam na formação do resto do sistema solar”.

Os planetas gigantes, também chamados exteriores ou gasosos, são aqueles que estão fora do cinturão de asteroides, ou seja, Júpiter, Saturno, Urano e Netuno.

Júpiter foi provavelmente o primeiro dos planetas que se formaram em torno do sol, pois contém muitos dos mesmos gases ligeiros do que é feita a estrela, hidrogênio e hélio, de acordo com a Nasa.(Terra/EFE)

 

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.