Amazonas Esportes

As diferenças e semelhanças entre Osório e Doriva, no São Paulo

Osório(Ex) e Doriva novo técnico do São Paulo/Foto: Reprodução
Redação
Escrito por Redação

Depois que Juan Carlos Osório comunicou sua saída do São Paulo, na manhã de ontem (07), para assumir como novo treinador da seleção do México, a diretoria sãopaulina  anunciou, horas depois, oficialmente, o novo técnico do Tricolor: Doriva, ex-jogador revelado no Morumbi na década de 90.
Com a troca de comando no São Paulo, o UOL Esporte preparou uma lista de semelhanças e diferenças entre os dois treinadores, que têm mais diferenças que semelhança entre si. Características e curiosidades de dentro e fora do campo que passam por convicções pessoais e perfil profissional. Confira:

1 – Religião (Diferença)

Doriva é evangélico. Sempre que possível, frequenta uma igreja em Itu (SP), onde, aliás, passou seu Réveillon. E costuma utilizar a religião em suas entrevistas. Osorio é católico. Convidado por Milton Cruz, passou a ir aos cultos do padre Marcelo Rossi. Mas não usava religião como forma de união do elenco do São Paulo e quase nunca atribuía a Deus conquistas e/ou fracassos. No fim do seu discurso de despedida, porém, agradeceu a Ele pela oportunidade de treinar uma seleção nacional.

2 – Palavrões (Diferença)

Doriva não fala palavrão em treinos ou jogos. Por mais irritado que esteja, evita lançar mãos de palavrões com seus comandados. Osorio chegou da Colômbia com o apelido de “Lorde”, pela educação e bom trato. Mas em campo o colombiano nunca abdicou da linguagem do futebol, falando muitos palavrões, sempre em espanhol.

3 – Questão tática (Diferença)

Doriva costuma optar taticamente pelos esquemas 4-2-3-1 e, em segundo plano, 4-4-2. Osorio sempre teve como formação ideal o 3-4-3, porém, com o desmanche no São Paulo ele passou a armar o time sempre no 4-3-3. A diferença é que dentro de casa tinha um volante e dois meias, enquanto fora de casa a lógica era inversa.

4 – Filosofia de jogo (Diferença)

Doriva é um pragmático. Nos últimos três clubes que dirigiu, Vasco, Atlético-PR e Ponte Preta, mostrou bastante preocupação com a organização defensiva e obediência tática, com predominância da transição rápida, contra-ataque e bola parada. Osorio é um idealista. Organiza seu time de acordo com o adversário, mas sempre tendo em mente a própria filosofia: marcação por pressão, extensão do jogo com passes longos e inversões e imposição pela posse de bola. Jamais joga pelo empate.

5 – Rodízio (Diferença)

Doriva procura sempre manter uma base titular, diferentemente de Osório, que gosta de fazer rodízio. O colombiano foi criticado por isso no São Paulo, mas jamais abdicou dessa convicção. Ele acredita que com o rodízio consegue proporcionar o maior número de atletas com boas condições físicas e o amadurecimento de jovens talentos. Costuma traçar meta para o elenco de três, quatro jogos, já adiantando em quais partidas terá time titular, misto ou reserva. Sempre avisa aos jogadores.

6 – Metodologia de treinos (Semelhante. Mas com uma diferença)

Doriva participa ativamente dos treinos. Quando treina contra-ataque, ele mesmo lança a bola, quando treina saída de jogo, ele inicia as jogadas de triangulação. Ou seja, dá o exemplo com a bola no pé, sempre cobrando disciplina. Osorio também é muito participativo, cobra bastante intensidade dos jogadores e carrega consigo metodologia e treinamentos próprios. Os dois são proativos, mas o segundo é mais teórico.

7 – Comissão técnica (Semelhança)

Doriva não possui uma comissão técnica grande. No Vasco, por exemplo, só levou seu auxiliar Eduardo Souza. Ele costuma integrar funcionários fixos dos clubes, algo que pode contar a favor do clube, que dispõe de Milton Cruz e preparadores físicos. Osorio chegou no São Paulo e duas semanas depois trouxe Luiz Pompílio Paez, seu auxiliar técnico, e também Jorge Rios, preparador físico – ambos trabalharam com ele no Atlético Nacional.

8 – Mata-mata (Semelhança)

Doriva tem se mostrado bom treinador em torneios mata-mata. Foi campeão Paulista e Carioca nas duas últimas temporadas. Coincidentemente, essa é uma característica de Osorio, que chegou com fama de copeiro no São Paulo e de fato deixou o time nas semifinais da Copa do Brasil.

9 – Bate papo (Semelhança)

Doriva preza pela conversa. Broncas em tom de voz elevado são raras. É amigo dos atletas ao melhor estilo “boleirão”. Ele mesmo fala que parou de jogar há pouco tempo e tem relação muito próxima com os jogadores. Osorio também se destaca pelo diálogo com seus comandados e por tratar a todos de forma igual, além de gostar de conversar individualmente com seus atletas, como fez com Pato e Ganso.(UOL)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.