Amazônia Mato Grosso

Auditoria descobre 11 mil alunos fantasmas em Mato Grosso

Redação
Escrito por Redação

Uma auditoria nas escolas públicas de Mato Grosso descobriu que 11 mil alunos não frequentavam as aulas e que muitos nem sabiam que estavam matriculados. Mas o estado gasta muito dinheiro com eles. O Heverson dos Anjos é funcionário da Secretaria de Educação, mora em Cuiabá, tem 30 anos e o Ensino Médio completo, mas estava matriculado numa escola de Luciara, a mais de mil quilômetros da capital de Mato Grosso.

 
“Me assustei, até porque é até em um programa que eu não tinha como estar matriculado, por conta de ser um programa federal para alunos de 6 a 17 anos de Ensino Fundamental”, comenta o técnico administrativo.

Em uma escola em Várzea Grande, na Região Metropolitana de Cuiabá, houve uma das maiores diferenças entre o número de alunos no papel e nas salas de aula. Dos 1.847 estudantes registrados, pouco mais de 600 frequentam os cursos.

“Se houve má fé, nós temos que levantar funcionário por funcionário que fez a matrícula aqui”, aponta o diretor da escola João Dias de Moura.

Os auditores da Secretaria de Educação descobriram que 11 mil alunos matriculados em todo o estado simplesmente não existiam.

O levantamento ainda está na primeira etapa. Por enquanto, foram verificados os cadastros de apenas 101 escolas de um total de 753 que existem em Mato Grosso. E só nesta fase inicial já foi detectado um gasto anual desnecessário que ultrapassa os R$ 6 milhões, para pagar professores e funcionários e atender a uma demanda que nem existe.

Agora, a Secretaria de Educação vai fazer um levantamento detalhado para saber, de fato, o tamanho do rombo nos cofres públicos.

Isso porque todas as verbas federais que vão para as escolas são calculadas pelo número de alunos. Em Mato Grosso, também há uma gratificação para os diretores de acordo com a quantidade de estudantes matriculados em cada escola.

A Controladoria Geral da União informou que está preparando um relatório para que o caso seja investigado.

(RD News)

 

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.