Brasil Política

Barbosa diz que não vê condições para o impeachment de Dilma

Ex-presidente do STF, Joaquim Barbosa/Foto: Reprodução
Ex-presidente do STF, Joaquim Barbosa/Foto: Reprodução
Redação
Escrito por Redação

O ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa disse, em entrevista ao jornalista Roberto D’Avila, exibida hoje, quarta-feira 0(2) na GloboNews, que não vê, hoje, condições para o impeachment da presidente Dilma Rousseff. A entrevista de Barbosa foi gravada antes de o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, aceitar o pedido de abertura de processo de impeachment contra Dilma.
“Impeachment é um mecanismo regular do sistema presidencialista, mas é traumático. Pode trazer consequências que não temos condições de avaliar hoje”, afirmou.

Para Joaquim Barbosa, parte das instituições brasileiras não está funcionando. “E a que menos funciona, a meu ver, é a mais importante delas, a Presidência da República. Acho que há uma crise na Presidência da República. No nosso sistema político a Presidência é o centro de gravidade. O presidente é o catalisador de todas as ações, ele se comunica diretamente com a nação, esse é o seu papel mais importante. Isso não ocorre no Brasil.”

O ex-presidente do STF ressaltou que “o Brasil precisa de lideranças políticas lúcidas, com uma visão muito clara de sociedade e do que precisa ser feito para mudar o país, para completar essa formação inacabada do Estado”. Segundo Barbosa, falta alguém para dizer a verdade para o brasileiro.

“Não vejo, tanto na ala governamental quanto na oposição, a liderança lúdica que dê a direção correta”, disse.

Barbosa afirmou que as instituições de controle do Estado, como o Judiciário e o Ministério Público, continuam funcionando e que não se surpreendeu com o escândalo da Lava-Jato: “Para mim, isso é uma sequência natural (do mensalão).”

Em relação ao julgamento do mensalão, Barbosa disse que as pressões não o abalaram, mas o que chamou a atenção dele foi a questão racial.

“Fazia o que qualquer juiz sério naquela posição teria que fazer. Era um mero executor de decisões coletivas. Estou convicto de que por trás daqueles ataques insensatos, violentos estava a velha questão racial”, ressaltou.

Barbosa disse que não pensa em entrar para a política: “Acho que não tenho vocação para política. Nunca gostei, nem mesmo na época de estudante. Acho que sou uma pessoa livre demais para dar esse passo.”

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.