Amazonas Colunas Osiris Silva

Brasil em desmonte, reagir é preciso(Osíris Silva)

Economista Osiris Silva(AM)
Redação
Escrito por Redação

Nítidas contradições vêm marcando o tecido social, o sistema político e as instituições brasileiras. Salvo para áulicos e hipócritas, reacionários ou sectários a ideologia e o sistema político e filosófico preconizado por Marx e Engels – o comunismo – perdeu seu lugar na história da humanidade pouco mais de 70 anos depois de implantado na União Soviética em 1917 por meio da revolução bolchevique. Mas não é esse o entendimento das fanáticas “esquerdas” no Brasil. Na verdade, rejeitam o sistema democrático, e, portanto, o pleno gozo das liberdades que o regime abriga, e pugnam pela ditadura do proletariado, que ostensiva e violentamente as reprime.
Não fossem sonho e tempo perdido, até fosse possível admitir tais posicionamentos a título de exercício ideológico. Absolutamente, porém, não é o caso. Essas correntes pensam exatamente daquele modo, não obstante o insucesso do sistema onde quer que haja sido implantado na primeira metade do século passado.  Enquanto isso, o mundo civilizado consolidou paradigmas por meio de sistemas democráticos de governo que de forma avassaladora vêm sendo adotados em todos os Continentes, sobretudo no mundo Ocidental. O Brasil, todavia, vem se afastando desse grupo e alinhando-se a formas mais primárias e a regimes tacanhos, e assim isolando-se da modernidade institucional, política e social que predomina entre as nações modernas.

Sem qualquer radicalismo, a cidadania do brasileiro vem sofrendo graves arranhões, apresentando ainda sérios traços de desfiguramento. Políticas populistas adotadas pelo governo do PT nestes últimos 12 anos são impostas à nação de forma desrespeitosa e arrogante. Mais ainda, o povo, as camadas sociais menos favorecidas estão sendo mantidas presas a artifícios geradores de renda que não mostram com clareza quando e como poderá deles se livrar e então conquistar a liberdade e integridade de cidadãos.

De fato, o cidadão não quer esmola. Quer emprego para lhe proporcionar condições de sustentar condignamente sua família. Quer escola e saúde pública de qualidade, segurança eficiente; o povo anseia por justiça célere e sem discriminações, que puna ou beneficie o cidadão independentemente de sua condição social, econômica ou racial.  Postula um sistema político e de governo que valorize a democracia e as instituições, que proteja e supra o cidadão de suas necessidades fundamentais com os recursos oriundos da carga tributária, por sinal uma das maiores do mundo, que, em contrapartida pouco realiza em benefício da sociedade.

Em sentido contrário, o PT patrocinou a implantação do maior aparato de corrupção jamais visto na história deste país. Mensalão, dólares na cueca, desvios de recursos públicos junto a instituições financeiras e órgãos governamentais, propinas, múltiplos escândalos na Petrobrás e Banco do Brasil, com ex-diretores presos ou refugiados no exterior (situação inédita em toda nossa história); ministros demitidos por corrupção explícita e em seguido repatriados às bases aliadas do governo no Congresso, repasses secretos de recursos à Venezuela, Cuba e a países africanos sem garantia de reembolso, envolvimentos em assassinatos de seus próprios companheiros, são alguns dos escândalos a que estamos habituados a acompanhar na mídia praticamente todos os dias.

Que governo, até hoje, afinal havia roubado tanto no Brasil?

A situação econômica está praticamente fora de controle. 2015 fechou com inflação de 10,67%, para uma meta de 4,5%, crescimento negativo do PIB (-2,7%), recessão aberta, desmontagem do sistema educacional e de saúde pública, descontrole das contas públicas, perda de competitividade internacional, salvo no agronegócio, enfim. Por tudo isso o brasileiro, cansado e envergonhado, precisa se levantar, ir às ruas, reagir na defesa da moralidade pública, da integridade dos poderes da República e de seus direitos de cidadão.(Osiris Silva – Economista, Consultor de Empresas e Escritor)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.