Amazonas Colunas Osiris Silva

Brasil, nau sem rumo (Por Osíris Silva)

Economista Osiris Silva(AM)
Redação
Escrito por Redação

Somos incompetentes de forma recorrente na gestão de um país de 200 milhões de habitantes, pobre e repleto de carências, escreveu em artigo na Folha de S. Paulo de hoje, 24, o jornalista Fernando Canzian. Escreveu ainda: “a história recente mostra, e não importa o partido, que o Brasil não consegue fazer a coisa certa de forma ordenada e racional durante muito tempo”.
A crise atual (Dilma), assinala o jornalista, “é muito semelhante à vivida em 1998/1999 (FHC) e em 2002/2003 (FHC+Lula). Trata-se do mesmo cenário de explosão da dívida pública e do dólar e da inflação renitente. De estelionato eleitoral descarado seguido, no pós-eleição, de arrocho, alta de tarifas e tentativa de subir impostos”.

Detalhe importante, lembrado por Canzian: “os ajustes feitos por FHC e Lula em suas crises foram relativamente rápidos. Mas tivemos, para isso, a supervisão externa do FMI, que exigiu medidas ortodoxas e rápidas para emprestar bilhões de dólares ao Brasil. Seguimos a receita do Fundo e as coisas voltaram a funcionar. O progresso dos anos Lula comprova isso”.

Agora, no entanto, diz o jornalista da Folha, é diferente: “não temos o FMI para nos tutelar e forçar um ajuste. Pois nossas contas externas estão relativamente em ordem e melhorando. Temos também US$ 370 bilhões em reservas. Exclusivamente por nossa conta, estamos há quase um ano da eleição de Dilma e não conseguimos fazer sequer um ajuste mínimo”.

No Brasil a história sempre se repete. Segundo Fernando Canzian, “vale muito a pena rever páginas da Folha nas crises de 1998/1999 e de 2002/2003. É tudo igual: pacotes, dólar a R$ 4,00, CPMF e queda do PIB. Não aprendemos nada”.

Pura verdade. O Brasil segue política errática desde a Proclamação da República. O golpe de Estado que derrubou o imperador Pedro II em nada ajudou ao País estruturar uma Constituição soberana, pragmática, eficaz e eficiente. Nem tão pouco a implantar modelo de governança e governabilidade que efetivamente atenda às demandas da sociedade por segurança, conquistas e direitos sociais, infraestrutura, enfim, as bases fundamentais para o desenvolvimento.

Ao longo da história dos países líderes mundiais a Constituição reflete norma jurídica suprema, principalmente a partir das revoluções ocorridas nos EUA, França e Inglaterra (as chamadas revoluções liberais, que visavam a instaurar um Estado de Direito, Estado de poderes limitados) em substituição ao Estado Absolutista que até então existia). Representa o grau de amadurecimento político, social e econômico de uma nação.

Menos no Brasil. Aqui, cúmulo da desfaçatez e do baixo nível educacional e cultural que lhe é característico, o ex-presidente Lula da Silva declarou ontem, 23, na expectativa de salvar a pele do governo Dilma Rousseff e a sua própria, que o “melhor é entregar seis ministérios ao Pmdb do que perder a presidência”.

Dado que o governo não tem princípios políticos respeitáveis, nem padrão de gestão competente, o caminho mais viável (do ponto de vista de seus líderes), no caso, é o da submissão a aliados que, por igual, apenas têm em mente o poder pelo poder, não o bem da nação de seu povo.
Diante de tal demonstração de falta de grandeza mental, moral e política, uma questão subjacente se sobressai: onde se encontra a dignidade das representações políticas brasileiras? Em quem o povo pode hoje confiar? No poder Legislativo, no Judiciário?

Em nada, ao que tudo indica. Com efeito, a maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal decidiu, nesta quarta-feira (23), que parte dos inquéritos da Operação Lava Jato seja retirado das mãos do juiz Sérgio Moro, da Justiça Federal do Paraná. A decisão, tomada em caso ligado a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), é uma derrota para os procuradores que atuam no caso e para Sérgio Moro, em particular. Juiz e procuradores, como do amplo conhecimento da sociedade brasileira, defendem que os crimes investigados em Curitiba fazem parte de um mesmo esquema que se ramifica em diversas frentes.

A sentença do STF foi comemorada por advogados dos acusados, que desde o início da operação atacam Moro por supostamente agir em sintonia com a Polícia Federal e o Ministério Público e conduzir o processo com mão de ferro.

A que nível de degradação moral chegaram Executivo, Legislativo e Judiciário? Têm-se revelado, efetivamente, nada mais que cúmplices de um processo de estelionato institucional jamais antes visto na história política deste País. Como bem lembrou o advogado Paulo Figueiredo, em artigo ontem publicado aqui no Facebook, a política rasteira do toma lá dá cá, do é dando que se recebe dos velhos tempos do “Centrão” e sua atuação na Assembleia Nacional Constituinte de 1987/88.

A história também aqui se repete.

O Brasil, por incrível que pareça, diante de uma população indefesa, e ao mesmo tempo acovardada, como nau sem rumo, perdida num formidável mar de corrupção sem paralelo na história brasileira, encontra-se entregue a uma malta sem lei, alma e dignidade. Seus únicos princípios, ao menos os mais explícitos, têm por fundamento única e exclusivamente a política do bolso cheio.
Dos seus próprios, evidentemente.(Osiris Silva – Economista, Consultor de empresas e Escritor)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.