Brasil Saúde

Brasileiras devem adiar gravidez devido ao surto de zika vírus, diz OMS

OMS pede adiamento de gravidez no Brasil/Foto: Repodução
Redação
Escrito por Redação

A Organização Mundial de Saúde (OMS), pediu hoje, terça-feira (31), às brasileiras que vivem nas áreas mais afetadas pelo zika vírus no país, que adiem ou pelo menos considerem adiar uma gravidez.
Para mulheres e casais que vivem ou viajaram para regiões afetadas pelo surto da doença, a sugestão da entidade é que esperem pelo menos seis meses antes de considerar uma gravidez caso o homem tenha apresentado sintomas do zika vírus.

As recomendações relacionadas com a prevenção da transmissão sexual do zika vírus, a segunda principal via de contágio depois da picada do mosquito transmissor, foram atualizadas hoje pela OMS.

O adiamento e o período de seis meses de espera a partir dos sintomas sofridos pelo homem tem relação com as evidências científicas sobre o tempo que o vírus pode permanecer no sêmen.

“A recomendação é considerar o adiamento da gravidez, certamente reconhecendo que isso pode ser duro para algumas pessoas”, disse o porta-voz da OMS, Christian Lindmeier, aos jornalistas.

O documento divulgado pela entidade hoje indica que, “para prevenir consequências fetais ou uma gravidez adversa”, os homens e mulheres em idades reprodutivas que vivem em áreas de transmissão local da zika “devem ser corretamente informados e orientados sobre a possibilidade de adiar uma possível gravidez”.

O zika foi associado a um aumento dos casos de microcefalia no Brasil desde o ano passado, assim como ao forte crescimento de registros de desordens neurológicas em outros países da região.

“Os cientistas estão constantemente avaliando as evidências que surgem e determinaram que o vírus sobrevive mais tempo no sangue e nos fluidos corporais do que se pensava”, disse Lindmeier.

Por essa mesma razão, a OMS elevou para oito semanas o período durante o qual recomenda que toda a pessoa, homem ou mulher, que retorne de uma região com transmissão do vírus pratique sexo seguro ou adote a abstinência.

A OMS entende por sexo seguro o uso correto e permanente de preservativos, mas também adiar o início da vida sexual, assim como o contato sexual sem penetração e um menor número de parceiros.

Caso já tinha ocorrido uma relação sexual sem proteção e a mulher não deseje uma gravidez por causa das preocupações quanto ao zika, elas devem ter “rápido acesso a serviços de contracepção de emergência e conselhos médicos”, de acordo com a OMS.

A OMS voltou a reiterar hoje que não vê razões para adiar ou transferir a sede dos Jogos Olímpicos de 2016, que serão disputados no Rio de Janeiro em agosto, por acreditar que a realização do evento no Brasil não aumenta o risco global de transmissão.(Terra/EFE)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.