Amazonas Destaques Saúde

Cerca de 4 mil cirurgias pediátricas foram realizadas em seis meses, em Manaus

Cirurgias pediátricas aumentam no Am/Foto: Divulgação
Redação
Escrito por Redação
Cirurgias pediátricas aumentam no Am/Foto: Divulgação

                               Cirurgias pediátricas aumentam no Am/Foto: Divulgação

Apenas no primeiro semestre deste ano, no Hospital Infantil Dr. Fajardo e no Instituto de Saúde da Criança do Amazonas (ICAM), foram realizadas cerca de quatro mil cirurgias pediátricas de pequena, média e alta complexidade. As unidades são referência em procedimentos eletivos, ou seja, aqueles que não são de urgência.
Somente o ICAM fez 2.758 procedimentos de janeiro a julho deste ano. A unidade é referência na realização de cirurgias de urgência e emergência  neonatais de todo o Estado, principalmente em doenças gastrointestinais, como por exemplo, gastrosquise, quando o bebê nasce com o intestino para fora do abdômen. O Icam também realiza alguns tipos de cirurgias oncológicas.

Nesse mesmo período, o Hospital Infantil Dr. Fajardo realizou 1.069 cirurgias. Destas, a maioria foi de frenectomia (retirada do freio labial), hérnia, hidrocelectomia (retirada de líquido do saco escrotal), palatoplastia (correção de lábio leporino) e postectomia (retirada do excesso de pele do pênis).

De acordo com o secretário estadual de Saúde, Pedro Elias de Souza, as duas unidades se destacam em cirurgias pediátricas, atendendo, inclusive, pacientes de outros Estados.

Ele ressalta que os resultados são significativos, já que a maioria refere-se a casos de alta complexidade e que exigem equipe de profissionais capacitados.

Segundo o secretário, o Hospital Infantil Dr. Fajardo é a unidade do estado referência na realização de cirurgias de correção de fissura lábiopalatina (também conhecida como lábio leporino). Por mês, são feitos cerca de 24 procedimentos. “A fissura lábiopalatina é uma má formação do lábio superior. Essa condição impacta não somente na fala, como também na nutrição e na respiração, levando o paciente, muitas vezes, ao isolamento social”, destacou.

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.