Amazonas Política

CMM aprova criação da ‘Medalha Senador Fábio Lucena ’

Vereador Professor Samuel, autor da proposta/Foto: Divulgação
Redação
Escrito por Redação

Câmara Municipal de Manaus (CMM) aprovou ontem (09), o Projeto de Resolução n° 010/2013, que trata do novo Regimento Interno da Casa Legislativa e entre as emendas apresentadas ao projeto foi aprovada a de n° 032, que cria a ” Medalha Senador Fábio Pereira de Lucena Bittencourt”.
A proposta é de autoria do vereador Professor Samuel (PHS) e tem o objetivo de reconhecer a história do político e jornalista amazonense que prestou relevantes serviços à comunidade para que por meio da medalha pessoas que também prestem serviços à capital amazonense sejam homenageados.

“Para nós vereadores é importante a valorização de condutas que contribuem com o crescimento da nossa cidade, em especial daquelas que primam pela defesa dos direitos fundamentais do cidadão, bem como pelo o respeito de cada indivíduo. E nossa proposta é uma forma de contribuir com o reconhecimento de pessoas que lutam por uma sociedade mais justa”, afirmou Samuel.

A emenda recebeu parecer favorável da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) e com a aprovação do Regimento Interno deverá ser acrescentado ao Artigo 164 do Regimento, o inciso XX, que trata da proposta do parlamentar.

Histórico

Fábio Lucena Bittencourt nasceu em Barcelos no dia 11 de julho de 1940, veio para Manaus e estudou Economia e Direito na Universidade Federal do Amazonas (Ufam), trabalhou como jornalista no jornal A Crítica de 1965 até sua morte. Em seus artigos já era notável as marcas que o acompanhariam até o fim, altivez, acidez, inteligência e independência de opinião.

Entrou na vida pública em 1973, como vereador. Destacou-se tanto no combate ao regime militar quando acumulou 11 processos pelo Serviço Nacional de Informações (SNI). Em 1983 foi eleito Senador pelo Amazonas onde permaneceu até a sua morte, em 1987.

No Congresso Nacional era famoso por seus pronunciamos sagazes e incisivos. Despertou assim a admiração de seus opositores, que viam nele um grande político.

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.