Amazonas Cidades Destaques

Com recursos do BID agricultura familiar no Amazonas ganhará maior impulso

Produtos da Agricultura Familiar no AM/Foto: Arquivo
Produtos da Agricultura Familiar no AM/Foto: Arquivo
Redação
Escrito por Redação

O Governo do Amazonas está contratando junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) um aporte financeiro de US$ 70 milhões (cerca de R$ 268,2 milhões) para a agricultura familiar. Autorizada no última terça-feira (06), pela Assembleia Legislativa do Amazonas e publicada na edição do Diário Oficial do Estado (DOE) de quinta-feira (08), a operação de crédito vai impulsionar as principais cadeias produtivas através do Programa de Crédito Multisetorial para o Desenvolvimento do Estado do Amazonas (Prodesus).
A operação junto ao BID está sendo feita via Agência de Fomento do Estado do Amazonas (Afeam), que responde pelo Prodesus, desenvolvido em parceria com a Secretaria de Estado de Planejamento, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação (Seplancti). De acordo com o diretor-presidente da Afeam, Evandor Geber Filho, a maior parte dos recursos, cerca de 70%, deverá ser financiada via programa Banco do Povo.

“O Prodesus tem como foco principal a agricultura familiar, pequenos e médios produtores agrícolas, extrativistas, associações, cooperativas, agroindústrias e empresas comerciais, que também é o público alvo do Banco do Povo”, destacou o gestor da instituição financeira. Ainda segundo ele, o recurso vai financiar toda a cadeia produtiva – do cultivo, passando pelo armazenamento, beneficiamento e logística, até a comercialização, com forte apelo ao beneficiamento de produtos.

Entre as culturas beneficiadas estão, açaí, borracha, castanha, cacau, citrus, fibras, guaraná, abacaxi, banana, feijão de praia, hortaliças, mamão, maracujá, pecuária de leite, pesca artesanal e a piscicultura, uma das principais atividades incentivadas hoje pelo Governo do Amazonas.

Segundo Evandor, o programa segue uma determinação do governador José Melo de buscar uma alternativa macroeconômica para o Estado, com a interiorização da economia, agregando valor à agricultura e ao extrativismo. “O Sistema Sepror (Secretaria de Estado de Produção Rural) está organizando as cadeias produtivas, a Afeam entra com o crédito orientado aos empresários. Estamos montado uma equipe para cuidar especificamente desse projeto, que deve obedecer toda a legislação pertinente à sustentabilidade”, explicou.

Ainda segundo ele, nesse processo, será dada uma atenção especial principalmente à agroindústria e à comercialização. “O objetivo é agregar valor ao produtor, ou seja, deixar de vender commodities para vender o produto industrializado”, complementa. Um dos exemplos citados é o “Programa Balde Cheio”, da Sepror, que vem produzindo leite para a indústria local.

O diretor-presidente da Afeam afirma que o recurso vai dar um grande impulso na economia no interior e ao Programa Banco do Povo. Os R$ 268,2 do empréstimo são mais que o triplo do total de recursos que estão destinados ao Banco do Povo este ano (R$ 85 milhões). “Foi uma excelente notícia saber que o empréstimo foi aprovado. É um dinheiro barato, que está vindo para o Estado, que hoje é um dos poucos da Federação com capacidade de contrair empréstimos”, disse Evandor.

Sobre o Banco do Povo – Lançado em 30 de março, o Banco do Povo é um dos principais programas da gestão do governador José Melo e consiste em uma linha de microcrédito que estimula o empreendedorismo ao adotar uma das menores taxas de juros do mercado, 3% ao ano, para operações que variam de, no mínimo, R$ 500 e, no máximo, R$ 15 mil. O objetivo principal é contribuir para a consolidação de novos negócios e para a melhoria da qualidade de vida de trabalhadores autônomos, microempreendedores individuais, profissionais liberais, produtores rurais, com microcrédito orientado e produtivo.

O programa garante crédito e orientação especializada e, este ano, conta com recursos de R$ 85 milhões para financiamento. Desde que foi lançado foram realizadas 12.140 operações de financiamento com o volume de R$ 56,5 milhões financiados com a geração/manutenção de 36.420 ocupações econômicas.

Próximos passos – A Coordenadora da Comissão de Cooperação e Relações Institucionais do Governo do Amazonas (CCRIA) em Brasília, Nafice Bacry Valoz, também ressaltou a importância da aprovação do PL pela ALE-AM. Segundo ela, os próximos passos são as negociações dos termos do contrato com o BID e o Governo Federal, representado pelo Tesouro Nacional, para posterior envio ao Senado Federal, último a dar o aval sobre empréstimos dessa natureza.

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.