Amazonas Formal & Informal

Conselheiro Federal da OAB-AM baixa o nível em seu perfil, no Facebook

Conselheiro Federal da OAB-AM, Caupolican Padilha.
Conselheiro Federal da OAB-AM, Caupolican Padilha.
Redação
Escrito por Redação

O que era para ser uma simples notícia confirmando eleições diretas para a escolha de desembargador do Tribunal de Justiça do Amazonas pelo “Quinto Constitucional”, elencado uma pauta positiva na administração do presidente eleito Marco Aurélio Choy, virou uma disputa política partidária com declarações pesadas do representante da OAB/AM no Conselho Federal em Brasília, Caupolican Padilha.

De forma intempestiva, Caupolican tece na sua página pessoal do facebook, críticas pesadas ao governador José Melo e seus secretários e assessores, faz acusações severas ao governo, incita as pessoas a irem à ruas protestas contra a medidas governamentais e desqualifica uma hipotética escolha do grupo político do governador a um provável nome para a vaga de desembargador da OAB no TJ-AM.

Caupolicam mostra-se severamente opositor ao governo e trás para si toda a responsabilidade da posição a ser adotada pela OAB no processo do Quinto Constitucional, atropelando, inclusive, a posição do presidente da Casa, Marco Aurélio de Lima Choy, que, também, na sua página pessoal, deu todas as garantias para que o Quinto Constitucional aconteça, sem atropelos, através de eleições diretas.

Caupolican Padilha Júnior, advogado, professor universitário e Conselheiro Federal da OAB pelo Amazonas, eleito na última eleição na chapa de Marco Aurélio Choy, aproveitou a postagem no facebook de uma “NOTA PÚBLICA SOBRE A SAÚDE NO AMAZONAS” divulgada pela OAB/AM, para acusar e ofender gratuitamente o governador José Melo e seus assessores.

Fontes consultadas pelo Correio da Amazônia acreditam que os ataques podem ter precedentes. Caupolican é ligado ao grupo de advogados que representa, no TRE-AM, o senador Eduardo Braga (PMDB), em todos os processos contra o governador José Melo. Padilha atacou o governador pessoalmente e o acusou de apadrinhar pessoas em cargos públicos “em seu séquito palaciano”.

Logo em seguida, resolveu atacar, sem citar nomes, um determinado assessor que, segundo ele, “já se considera “o escolhido por esse governador usurpador” (não consigo pensar um outro termo para quem, sem condições intelectuais, se intitula professor) para a vaga de Desembargador pelo quinto constitucional”.

No final, fez ameaças veladas ao suposto candidato ao Quinto Constitucional, dizendo: “ele só se esquece que antes tem que ser votado pela categoria, ele também não imagina, a oposição lhe aguarda”, se referido ao tal assessor de Melo. No entanto, o tiro pode sair pela culatra, lembrando que na eleição de 2014 para governo, quanto mais Braga batia, mais José Melo era vitimizado e crescia nas pesquisas eleitorais. Ao final virou o jogo e ganhou.

Pelo telefone (celular 9812*-77**) ao Correio da Amazônia, Caupolican Padilha, disse que não foi para a imprensa falar sobre o tema. Ele “desabafou” na sua página pessoal e que as pessoas o conhecem e sabem que ele é muito honesto e muito coerente com o que fala. Disse ainda: “tem pessoas que são oposição à gente e respeito elas da forma como elas são, mas atribui toda a polêmica às falsas informações geradas na internet, como tentativa de manipulação simbólica do processo de escolha do desembargador, para vaga da OAB.

Sobre os motivos que levaram ele se posicionado dessa forma, disse que foi uma reação a um grupo de oposição à eles, que perderam as eleições e começaram a comentar nas redes sociais assuntos que não estavam sendo discutidos pelo Conselho. “O que fez com que o Choy, tivesse o posicionamento que ele teve. Isso surgiu de uma desonestidade, quero deixar bem claro isso”, complementou.

Sobre quem seria esse grupo de oposição e o tal assessor, Padilha disse que preferia não citar nomes. “Nesse assunto já surgiu muita deslealdade, quando a vaga surgir comento com o Portal”, complementou.

Em outro trecho disse: “Estou muito chateado com o tipo de atitudes, com a forma de plantar informações falsas, não é assim que resolve os problemas corporativos da classe, e tem gente que não gosta porque a gente está na OAB, hoje. Que escolha outra forma de fazer oposição, e não plantar falsas informações. Oportunamente os nomes vão aparecer e as máscaras vão cair”, concluiu. Sobre os ataques ao governador, informou apenas que a opinião dele, foi uma manifestação de indignação pelos ataques sofridos e que não gostaria mais de falar nesse assunto até às eleições.

Opinião do Conselheiro na sua página pessoal do Face.

Opinião do Conselheiro na sua página pessoal do Face.

A vaga do “Quinto Constitucional” é preenchida através de um processo complexo onde historicamente no Amazonas os advogados escolhem diretamente seis nomes e submetem ao crivo do Tribunal de Justiça que, dentro da sua competência, ele três nomes para enviar ao governador, o qual escolhe um e faz a nomeação, encaminhando o nome para que o Tribunal faça a sua posse.

O TJ/AM já tem dois desembargadores nomeados nessa condição, DOMINGOS JORGE CHALUB PEREIRA e JOÃO DE JESUS ABDALA SIMÕES, ambos eleitos através de eleição direta.

Nosso Portal ouviu alguns advogados sobre o assunto, vejam as opiniões:

* “Acho que a OAB não pode ser instrumentalizada contra ou a favor de qualquer corrente política. Não é nosso papel. Votei no Choy para administrar a OAB, não para defender os interesses de políticos”;

* “Entendo que um Conselheiro Federal deve ter uma postura ética superior aos demais colegas, para ser exemplo de como um advogado deve se portar. Temos que entender que, se nosso cliente tem um inimigo, esse inimigo não é nosso, por isso não podemos levar para o pessoal, sob pena de ferir a ética profissional”;

* “Acho que a OAB está correta em divulgar a nota e lutar por questões sociais relevantes, mas o respeito deve sempre prevalecer e, nesse caso, não houve respeito”;

* “Conheço o professor Caupolican e me causou espécie essa sua atitude ruidosa”;

* “Estranho um Conselheiro Federal da OAB fazer ameaças à um outro colega, somente porque pretende se candidatar em eleição para escolha do quinto de desembargador. Ele fala em fazer oposição ao colega. Me parece que não entende nada sobre tal eleição, pois o que devem os candidatos fazer é, simplesmente, demonstrar suas qualidades aos colegas, sem, contudo, atacar outros colegas. O candidato ou grupo que fizer isso, perderá a eleição. Não agüentamos mais essa forma de denegrir a imagem dos colegas”;

* “Essas práticas odiosos da política comum não devem permear nossa OAB. É uma vergonha”.

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

1 comentário

  • Fui aluno do professor Caupolican e só tenho elogios a fazê-lo. Professor extremamente capacitado e que possui uma opinião formada, com senso crítico pessoal, o que é comum à classe a qual pertence.
    Caupolican, parabéns por não ter medo de expor suas opiniões como muitos têm. O senhor me REPRESENTA.

error: Ops! não foi dessa vez.