Mundo

Coreia do Sul confirma 10ª morte por mers, e autoridades minimizam surto

Mais uma vítima da Mers na Coreia/Foto: AP
Redação
Escrito por Redação

A Coreia do Sul confirmou sua décima morte em decorrência do vírus respiratório mers hoje, quinta-feira (11), enquanto autoridades minimizaram o avanço da doença no país.
A vítima foi um homem de 65 anos que havia sido tratado por câncer de pulmão e foi hospitalizado no mesmo local por causa do vírus, de acordo com o ministério da saúde. O surto da síndrome respiratória do Oriente Médio tem causado pânico na Coreia do Sul e já infectou mais de 120 vítimas desde que o primeiro caso foi relato. O primeiro paciente da doença foi um homem de 68 anos que havia voltado de viagem do Oriente Médio e teve diagnóstico confirmado no dia 20 de maio.

Cerca de 3.800 pessoas nesta quinta permaneceram isoladas após terem tido um possível contato com infectados, de acordo com o ministério da saúde, e mais de 2.600 escolas e jardins de infância em toda a Coreia do Sul continuaram fechadas.

Na quarta, especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Coreia do Sul pediram a reabertura das escolas, já que, por enquanto, o surto está restrito a hospitais e não há evidências de que seja transmissível pelo ar.

Autoridades sul-coreanas acreditam que o surto pode ter diminuído, embora os próximos dias sejam cruciais para determinar se os esforços para isolar os pacientes e controlar a doença funcionou. Três pacientes diagnosticados com Mers foram liberados do hospital nesta quinta.

A presidente Park Geun-hye adiou sua visita aos EUA agendada para a próxima semana por causa do problema. A maioria das mortes até agora foram de pessoas que haviam sofrido de condições médicas pré-existentes, tais como problemas respiratórios ou câncer.

O mers tem se concentrado principalmente na Arábia Saudita e tem taxa de mortalidade de 40% entre os casos relatados. A doença pertence à família dos coronavírus, que inclui o resfriado comum, e pode causar febre, problemas respiratórios, pneumonia e insuficiência renal.(iG/AP)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.