Amazonas Colunas Tefé minha saudade

Corpus Christi, Festa Móvel(Por Raimunda Gil Schaeken)

Professora Raimunda Gil Schaeken(Am)
Professora Raimunda Gil Schaeken(Am)
Redação
Escrito por Redação

Na quinta-feira, dia 26 de maio, a Igreja Católica celebrou a festa de Corpus Christi, cuja origem data do século XIII, precisamente no ano de 1243, em Liége, na Bélgica, quando a Irmã Juliana de Mont Cornillon teria tido visões de Cristo demonstrando-lhe desejo de que o mistério da Eucaristia fosse celebrado com destaque, o que aconteceu pela primeira vez, também na Bélgica, em 1246.

Entrou para o calendário litúrgico universal em 1264 por determinação do Papa Urbano IV devido a um fato extraordinário. Aconteceu que um padre, duvidou da presença real de Cristo na Eucaristia, e enquanto celebrava a missa viu que, da Hóstia consagrada manava sangue até tingir de vermelho o corporal que até hoje é conservado na catedral de Orvieto na Itália. A partir daí a Igreja realiza a Procissão de Corpus Christi (Corpo de Cristo) como um prolongamento da liturgia da missa. Para os cristãos católicos é a presença de Deus no meio de seu povo e ao mesmo tempo uma manifestação pública de sua fé.

A procissão lembra a caminhada do Povo de Deus, que é peregrino, em busca da Terra Prometida. No Antigo Testamento esse povo foi alimentado com o maná, no deserto. Hoje, ele é alimentado com o próprio Corpo de Cristo.

Acontece numa quinta-feira, em alusão à Quinta-feira Santa, quando se deu a instituição deste Sacramento. Durante a última ceia de Jesus com seus apóstolos, ELE mandou que celebrassem sua lembrança comendo o pão e bebendo o vinho que se transformariam em seu Corpo e Sangue. É uma oportunidade para professarmos publicamente nossa fé e nossa devoção a Jesus presente, real e substancialmente, na Eucaristia. Nas cidades brasileiras, os fiéis celebram solenemente essa festa e participam da procissão pelas ruas e praças de suas cidades, decoradas e enfeitadas com grande amor e carinho, manifestando publicamente sua fé no Cristo, presente na hóstia consagrada. Essa é a única procissão que é obrigatória para todos os católicos, quando o povo vai cantando e rezando com muita alegria.

Nos Evangelhos podemos encontrar o relato em que Jesus celebra a Última Ceia com seus discípulos e instituiu o Sacramento da Eucaristia (Lc. 22,19 ; 1Cor 11,24-25) sinal da Nova Aliança com a humanidade. Com amor, derrama sangue para o perdão dos pecados e salvação de toda a humanidade.

Jesus é o rosto misericordioso do Pai. Participar da Eucaristia é fazer a experiência do amor de Deus por nós, em Jesus, que, em cada Eucaristia, torna presente seu sacrifício da cruz, para nossa salvação. Comungar seu Corpo é unir-se profundamente a Ele e também reconhecê-Lo presente no irmão e ser para ele sinal da misericórdia de Deus.(Raimunda Gil Schaeken – Tefeense, professora aposentada, católica praticante, membro da Associação dos Escritores do Amazonas – ASSEAM e da Academia de Letras, Ciências e Artes do Amazonas – ALCEAR.)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.