Amazonas Colunas Tefé minha saudade

Cuidar do nosso Planeta, nossa Casa( Por Raimunda Gil Schaeken)

Professora Raimunda Gil Schaeken (AM)
Redação
Escrito por Redação

“Nosso modelo de sociedade está baseado no consumo e na aparência. Para suprir essas necessidades, sacrificamos a Casa Comum, que é o espaço em que habitamos” (Texto-Base da CFE, nº 28)
O cuidado com a criação é uma busca pela justiça, sobretudo nos países pobres e em situação de vulnerabilidade social. A campanha da Fraternidade sempre propõe uma reflexão a partir de um problema específico da fragilidade humana. Este ano trata da ausência dos serviços de saneamento básico em nosso país. A temática está em sintonia com a Encíclica do papa Francisco “Laudato Si: cuidar da Casa Comum”, que tem chamado a atenção para o atual modelo de desenvolvimento que ameaça a vida e destrói a biodiversidade.

O abastecimento de água, esgotamento sanitário, limpeza urbana, manejo de resíduos sólidos, controle de meios transmissores de doenças e drenagem de águas pluviais, são necessários para que haja saúde e vida dignas para a população. A dupla combinação entre água e esgoto é uma condição para erradicar a pobreza e a fome, bem como reduzir a mortalidade infantil e dar sustentabilidade ambiental. Segundo a UNICEF e dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), 2,4 bilhões de pessoas ficaram sem acesso ao saneamento de qualidade em 2015.

O Brasil ocupava, em 2011, a 112ª posição mundial no que se refere ao item saneamento básico. O índice de Desenvolvimento do Saneamento no brasil foi de 0,581, inferior a algumas nações do Norte da África, do Oriente Médio e América Latina. Mas a responsabilidade pela Casa Comum é de todos, ou seja, dos governantes e da população. Nesse sentido, uma ação prática das Igrejas cristãs, segundo o objetivo da CFE, é mobilizar a população dos municípios para reclamar planos de Saneamento Básico e exercer o controle social sobre sua execução. “Assegurar o direito ao saneamento básico para todas as pessoas e empenharmo-nos, à luz da fé, por políticas públicas e atitudes responsáveis que garantam a integridade e o futuro de nossa casa Comum” (Texto base, n. 26).

Hoje, as preocupações no campo do saneamento passam a incorporar não só questões de ordem sanitária, mas também de justiça social e ambiental. E seu conceito passa a ser entendido de duas maneiras: saneamento básico e saneamento ambiental.(Raimunda Gil Schaeken – Tefeense, professora aposentada, católica praticante, membro efetivo da Associação dos Escritores do Amazonas – ASSEAM e da Academia de Letras, Ciências e Artes do Amazonas – ALCEAR.)

OBS.: No próximo domingo, continuaremos com o assunto; aguardem!

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.