Amazonas Formal & Informal

Declarações de Rossieli causam estranheza a membros do governo

Foto: ANDRE COELHO / Agência O Globo
Redação
Escrito por Redação

Não soou bem a membros do governo, as declarações do secretário de Educação, Rossieli Soares da Silva ao programa de entretenimento CQC da Band, sobre a Escola Estadual professor Waldock Fricke de Lyra, que recentemente foi militarizada em função do alto nível de violência na comunidade onde ela está instalada.

 

Rossieli teria dito ao programa da Band, que não colocaria o seu filho para estudar em uma escola com esse modelo de educação, modelo militar, mesmo embora, admita que a mudança de método tenha sido discutida e aprovada pela comunidade e contribuído para reduzir a zero, os incidentes envolvendo alunos da comunidade e aumentado sensivelmente o aproveitamento escolar. Mesmo assim, o filho do secretário de educação não estudaria em uma escola como essa.

 

A estranha declaração do secretario Rossieli deixa dúvidas sobre a eficácia do projeto piloto de educação implantado pelos militares PMs, no Amazonas, para garantir o direito ao aprendizado sem a interferência de elementos externos, nocivos à educação de base.

 

O secretário descartou a disciplina, a organização, a segurança, o ensino qualificado com correção e respeito aos direitos familiares e comunitários, para justificar que falta o lado humano, falta o complemento da cultura, mas também não explicou o que seriam esses aditivos. “É preciso ir em outra direção, a outro nível”, recorta.

 

Desfazendo em parte o que tinha falado, Rossieli afirma que as crianças da Escola Estadual Professor Waldock Fricke de Lyra estão tendo um grande resultado. Os pais e as mães querem que ela, a Escola, continue como está agora, e disse que a disciplina é fundamental.

 

O modelo militar de escola com princípios e disciplina de caserna foi inserido em uma comunidade com índice de criminalidade muito alto e, que foi revertido. “Então a comunidade olha para isso e aprova”, disse um militar entrevistado pelo programa.

 

O modelo é aprovado fora do Amazonas

Teve boa repercussão o modelo militar de uma unidade educacional, que agora está sob a direção de policiais militares. Marcello Oliveira Christovão D’Pinho, de São Paulo, disse que viu a reportagem sobre o que os militares fizeram nesta escola. “Como professor, músico e cidadão deste País, eu me emociono e tenho orgulho deste trabalho que é exemplo para todos os estados e principalmente a esse políticos “*” e corruptos. Parabéns a todos os alunos, corpo docente e ao Coronel. Graças a Deus meus heróis não morreram de overdose, estão em pé e envergando a farda com muita honra. Parabéns a todos pelo exemplo de Brasilidade”.

 

Ademir Garces, de Minas Gerais, diz: “Dá para sentir que a educação no Brasil tem recurso. Meus dois filhos estudaram em escola militar aqui em Minas GeraisG. Hoje são adultos e me enchem de orgulho, tanto no tratamento respeitoso com as pessoas, como na vida profissional”.

 

Sergio Freitas diz que “Está de parabéns a Polícia Militar do Amazonas, que teve a brilhante iniciativa de assumir o controle de algumas escolas estaduais. Se entendemos que a educação é formadora de bons cidadãos, nada como a escola para ensinar a crianças os princípios básicos”.

Secretário de Estado de Educação, Rossieli Soares da Silva.

Secretário de Estado de Educação, Rossieli Soares da Silva.

Iguais a eles, vários outros cidadãos pais de família elogiaram o modelo que resolveu dois problemas de uma só vez em um bairro violento da capital: a qualidade duvidosa do ensino na maior escola pública dentro de uma comunidade, na zona oeste e a violência praticada por jovens estudantes.

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.