Entretenimento

Dedé Santana revela que sua mansão de Itajaí está à venda

Redação
Escrito por Redação

O ex-integrante, de “Os Trapalhões”, Dedé Santana, revelou na tarde deste domingo (15) que colocou a sua mansão em Itajaí (SC) à venda para cobrir o pagamento da compra de uma outra casa sua, localizada no Rio de Janeiro.

O comediante de 80 anos, explicou em entrevista que havia combinado a venda do imóvel de 27 cômodos (avaliado em R$ 2 milhões) com uma pessoa, mas que, no fim das contas, o indivíduo se mudou para os Estados Unidos e não cumpriu o acerto. “A minha casa estava praticamente vendida e a pessoa que a comprou se mudou para os Estados Unidos. Ia comprar e não comprou”, reclamou o humorista ao programa “Domingo Show”, da TV Record.

Embora tenha trabalhado e feito um sucesso estrondoso com “Os Trapalhões”, Dedé garante que Mussum, Zacarias e ele “perderam tudo” devido a algumas pessoas que administraram o dinheiro. “Os três perderam tudo. Nós pegamos uns caras que estavam administrando o dinheiro, pegavam o dinheiro do imposto de renda e não pagavam o imposto de renda. E assim nós ficamos sem nada”, contou.

Ele também admitiu que nunca ligou para o dinheiro e que sempre foi uma pessoa “mão aberta”. “Sempre fui de gastar, não ligo para dinheiro. Tudo que eu via eu queria comprar, cheguei a ter oito carros na garagem. Não me preparei para essa situação em que estou agora”, declarou. “Depois que me estabilizar, eu não terei mais medo de morrer”, concluiu.

Exibido pelas redes Tupi, Record e Globo, a série “Os Trapalhões” foi composta pelo quarteto Renato Aragão, Dedé Santana e, mais tarde, Mussum e Zacarias. O humorístico ficou no ar por 18 anos, entre março de 1977 e agosto de 1995.

Após 20 anos de parceria, Zacarias foi o primeiro do elenco a morrer, em 1990, vítima de uma insuficiência respiratória, em decorrência de uma infecção pulmonar. “O Zacarias para mim era o grande ator, era um tremendo apaziguador. Qualquer ‘rusguinha’ que tinha em nosso grupo, ele falava ‘não, espera aí, não é bem assim'”, disse Dedé.

Quatro anos depois foi a vez de Antônio Carlos, o Mussum. Ele faleceu aos 54 anos, em 1994, em decorrência de problemas no coração.

Dedé e Didi

“Eu já precisei de dinheiro e pedi ao Renato Aragão. Precisei, e não era pouco, e ele deu na hora”, disse Dedé, que ressaltou a importância de Renato para a existência de “Os Trapalhões”. “Ele escrevia, organizava. Se não fosse ele, o grupo não existiria”, admitiu.

(NOTÍCIAS AO MINUTO)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.