Amazonas Política

Denúncias de irregularidades cancelam eleição para Conselheiro Tutelar, em Manaus

Eleição CT cancelada por irregularidades/Foto: Karla Vieira/Márcio james
Eleição CT cancelada por irregularidades/Foto: Karla Vieira/Márcio james
Redação
Escrito por Redação

Após uma reunião, por volta de meia-noite de ontem (04), do Colegiado do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente(CMDCA), na sede do Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM), com base nas diversas denúncias de irregularidades, feitas durante todo o dia, por eleitores que procuraram os colégios eleitorais da capital para votar, a eleição para Conselheiro Tutelar, quadriênio 2016/2020, foi cancelada. A nova data do pleito ainda será anunciada.
As inconformidades no processo eleitoral começaram a ser relatadas ainda pela manhã, pela própria presidente do CMDCA, Gecilda Albano, responsável pelo pleito. Assim que a secretária municipal da Mulher, Assistência Social e Direitos Humanos, foi comunicada dos fatos, convocou uma reunião para discutir qual seria a postura a ser exercida, e decidiu apoiar qualquer decisão tomada pelo conselho, único a ter legitimidade para cancelar as eleições.

“A Prefeitura de Manaus se declara favorável à decisão tomada pelo CMDCA. Nós temos acompanhado todos os dias o desenvolvimento deste processo e temos o entendimento que é preciso avançar muito mais para sanar problemas que ficaram visíveis. Uma saída correta para estas deficiências apresentadas durante o pleito mostra que é preciso um envolvimento muito maior de todos os componentes desta eleição”, afirmou a titular da pasta.

A presidente do CMDCA informou que o conselho foi totalmente favorável a realização de um novo pleito e disse que, desta vez, pedirá maior apoio da Prefeitura de Manaus. Um convênio com o Tribunal Regional Eleitoral (TRE/AM), também, não está descartado, já que o órgão possui experiência na realização de processos eleitorais.

“Em decorrência de todas as falhas que ocorreram contra a nossa vontade, nós explanamos a situação para a secretária da Semmasdh e elencamos as situações que mais prejudicaram o pleito. Achamos melhor promover uma nova eleição, desta vez com um suporte maior, contando novamente com o apoio da Prefeitura de Manaus e dos parceiros envolvidos para que desta vez as eleições aconteçam sem qualquer tropeço. Reconhecemos a falha, como conselho, em tentar levar uma eleição sem que precisássemos contar com toda a infraestrutura da prefeitura, mas só me resta pedir desculpas à população e convocar todos à comparecerem às urnas em uma nova data”, declarou Gecilda Albano.

Nomes fora da lista

Entre as reclamações relatadas, muitos eleitores apontaram a ausência de nomes nas listas de votação disponibilizadas pelo TRE. Segundo a presidente do CMDCA, Gecilda Albano, o envio destas listas pelo órgão foi concluído apenas no fim da tarde de sexta-feira (02), e, com isso, alguns cadernos acabaram não sendo impressos e disponibilizados nas escolas. O cadastramento biométrico e pendências junto ao TRE também causaram confusão, pois muitos eleitores não sabiam se deveriam ir ao colégio antigo ou novo.

“Para quem fez o cadastramento biométrico antes do dia 23 de setembro, o local de votação foi o definido durante o cadastramento. Mas quem fez o cadastro do dia 24 de setembro em diante, teria que votar no colégio eleitoral antigo, pois a lista foi fechada nesta data. Como muita gente não se atentou para esta situação, acabou procurando o colégio errado”, declarou Gecilda Albano.

Portões Fechados

O caso mais grave aconteceu foi na Escola Estadual Engenheiro Arthur Soares Amorim, no bairro Novo Aleixo, que manteve os portões fechados pelo gestor da escola durante o pleito, provocando várias denúncias feitas por eleitores junto ao canal de reclamações do MPE. No início da tarde, o local de votação foi substituído por outra escola, após decisão do CMDCA.

Na Escola Estadual Prof. Juracy Batista Gomes, no bairro Armando Mendes, zona Leste, as eleições só iniciaram após às 10h. O mesmo aconteceu na Escola Estadual Letícia Campos, na Cidade Nova, zona Norte.

Eleições

Ao todo, 166 candidatos disputam os cargos na eleição unificada para a escolha de conselheiros tutelares em Manaus. Todas as pessoas em situação regular com a Justiça Eleitoral podem votar. Os eleitos vão atuar em nove Conselhos Tutelares (zonas Centro-Oeste, Centro-Sul, Leste I, Leste II, Norte, Oeste, Sul I, Sul II e Rural, este último englobando as comunidades localizadas no Rio Amazonas, Rio Negro, BR-174 e AM-010). Serão eleitos 45 conselheiros titulares e 45 suplentes.

Denúncias motivam cancelamento de eleição/Foto: Márcio James e Karla Vieira

             Denúncias motivam cancelamento de eleição/Foto: Márcio James e Karla Vieira

...e as verificações orientaram à decisão/Foto: Karla Vieira e Márcio james

                       …e as verificações orientaram à decisão/Foto: Karla Vieira e Márcio James

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.