Brasil Política

Depois de aprovar reforma política, senadores esperam votação do texto na Câmara

Senadora Lídice da Mata(BA)/Foto: AG
Senadora Lídice da Mata(BA)/Foto: AG
Redação
Escrito por Redação

Concluída a votação no Senado do Projeto de Lei 75/2015, que trata da reforma política, a expectativa entre os parlamentares, agora, é com a votação da matéria na Câmara dos Deputados. O texto será revisado pelos deputados, que poderão aprovar integralmente as mudanças feitas pelos senadores ou rejeitá-las, mas não poderão inserir novos itens no projeto.
Os senadores aprovaram um substitutivo que muda profundamente o texto original enviado pela Câmara e agora não sabem se esse projeto será mantido. “O Senado votou com a expectativa de que a Câmara possa acolher [as modificações no texto], mas não temos nenhuma garantia de que isso vá acontecer. Isso faz com que o processo se reinicie na Câmara”, disse a senadora Lídice da Mata (PSB-BA).

Lídice afirmou que a reforma feita pelo Senado representa um “avanço”, embora não seja a reforma política ideal. “Mas o ótimo é inimigo do bom. Se nós não conseguimos fazer o ótimo, não podemos deixar de fazer o bom”, disse a senadora.

Uma das mudanças mais relevantes no texto aprovado pelo Senado é a proibição do financiamento empresarial de campanhas eleitorais. O projeto aprovado pelos deputados permitia esse tipo de financiamento, porém limitado ao teto de R$ 20 milhões.

Agripino Maia (DEM-RN) disse que a emenda dos senadores foi um retrocesso, porque permite apenas a doação feita por pessoas físicas. “O financiamento privado aos partidos era um avanço.”  Segundo Agripino, que faz campanhas desde 1982, antes havia o financiamento exclusivo para pessoas físicas, e o que se tinha era “uma facilitação” do caixa 2. “Em 1993, passou a ser permitido o financiamento empresarial, e isso foi um avanço”, afirmou o senador, que lamentou a mudança.

Agripino disse acreditar que a Câmara retome o texto original quando apreciar a matéria. “O que vai acontecer é que, como nesse caso a Casa revisora é Câmara, os deputados devem colocar o ponto de vista da Câmara no texto.”

Para o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), que defende a proibição do financiamento empresarial de campanhas, não fará mais diferença se a Câmara retomar a permissão para esse tipo de doação. Já foi uma “vitória” a posição contrária do Senado, e isso deverá influenciar para que o Supremo Tribunal Federal (STF) retome a votação da ação que trata de financiamento eleitoral, disse Lindbergh. O julgamento desse tema no STF foi suspenso após pedido de vista do ministro Gilmar Mendes, mas seis ministros já tinham votado pela inconstitucionalidade da doação de empresas a partidos políticos e candidatos. “O maior efeito dessa votação é destravar o julgamento no STF sobre a questão. O financiamento empresarial de campanha é inconstitucional”, afirmou o senador.

Também foram aprovadas pelos senadores medidas que visam a encurtar o tempo das campanhas eleitorais e seus custos, que preveem fim da exigência de domicílio eleitoral e das coligações partidárias, e a que torna obrigatória a impressão dos votos para que o eleitor possa conferir e permitir a recontagem posterior, em caso de dúvida.

Para o líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima (PB), essa foi uma das mudanças mais importantes. “A Justiça Eleitoral existe para preservar a vontade do eleitor. E, com isso, estamos atualizando o programa da urna eletrônica, garantindo a essa urna uma segurança ainda maior para que a vontade do eleitor seja respeitada e se proteja o sistema de fraudes, que são possíveis. Não há nenhum sistema invulnerável”, afirmou Cunha Lima.

A expectativa é que o projeto de lei da reforma política seja votado na Câmara ainda neste mês, para que as novas regras sejam aplicadas já nas eleições municipais do ano que vem.(Agência Brasil)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.