Política

Deputados americanos assinam carta contra impeachment de Dilma

A carta contava com a assinatura de 37 deputados (dos 435)/Foto: divulgação
Redação
Escrito por Redação
A carta contava com a assinatura de 37 deputados (dos 435)/Foto: divulgação

A carta contava com a assinatura de 37 deputados dos 435/Foto: divulgação

“Escrevemos para expressar nossa profunda preocupação com acontecimentos recentes no Brasil, que acreditamos ameaçar as instituições democráticas daquele país.” Assim começa uma carta que circula no Congresso dos Estados Unidos contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Endereçada ao secretário de Estado americano, John Kerry, o documento pede que ele tenha a “máxima cautela” nos contatos com o governo interino de Michel Temer e evite ações e declarações de apoio ao impeachment de Dilma.

A carta é iniciativa de três deputados do Partido Democrata e tem o apoio de mais de 20 organizações, entre elas a poderosa central sindical AFL-CIO, que tem mais de 12 milhões de membros. Até esta sexta (22), ela contava com a assinatura de 37 deputados (dos 435), incluindo nomes influentes, como John Lewis, ícone do movimento pelos direitos civis nos EUA dos anos 60.

“Nosso governo deveria expressar forte preocupação em relação às circunstâncias em torno do processo de impeachment e fazer um chamado à proteção da democracia constitucional no Brasil e do Estado de direito no Brasil”, diz o texto, ressaltando que “não é um julgamento legal, mas político”, que será decidido por um Senado “eivado de corrupção”.

É a segunda iniciativa recente contra o impeachment na Câmara dos Deputados dos EUA. No dia 13 deste mês, o deputado democrata Alan Greyson havia feito um discurso em tom parecido no plenário, em que chamou o governo de Temer de antidemocrático por adotar medidas que não foram aprovadas nas urnas. A carta, no entanto, vai além, ao questionar diretamente o impeachment.

Em um dos trechos, o documento lembra as gravações divulgadas pela Folha em maio, nas quais o ex-ministro do Planejamento, senador Romero Jucá (PMDB-RR), sugeria ao ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado que uma “mudança” no governo permitiria “estancar a sangria” representada pela Operação Lava Jato, que investiga ambos.”O senhor Jucá foi demitido depois que o maior jornal do Brasil, Folha de São Paulo (sic), revelou uma conversa gravada dele tramando o impeachment da presidente Dilma Rousseff para instalar Temer em seu lugar como forma de parar uma enorme investigação de corrupção”, lembra.

“Para piorar, muitos dos políticos que apoiam o processo de impeachment são acusados de crimes graves, como corrupção, desvios e até tentativa de homicídio. Isso inclui o senhor Temer, que foi considerado culpado de violações no financiamento de campanha e está vetado de se candidatar a qualquer cargo político”. O documento foi redigido num formato conhecido no Congresso como “Caros colegas”, em que uma correspondência oficial é enviada a todos os membros da Câmara para defender uma posição ou um projeto de lei.

Segundo o escritório do deputado John Conyers Jr., um dos líderes da iniciativa, o número de signatários é considerado “extremamente bom”, sobretudo diante do fato de o Congresso estar em recesso. Acrescentou que há muito tempo não havia uma carta semelhante sobre o Brasil na Câmara dos Deputados americana.

Os argumentos do impeachment, afirma o abaixo-assinado, não são baseados em acusações de corrupção e Dilma jamais foi “formalmente indiciada” por esse crime. Acrescenta que as pedaladas fiscais que serviram de base para o impeachment, são “uma prática amplamente usada em todos os níveis do governo brasileiro, incluindo seus dois antecessores”.

Os signatários também são críticos em relação ao comportamento do governo do presidente Barack Obama, que “em vez de mostrar preocupação com esses acontecimentos perturbadores”, enviou sinais que “poderiam ser interpretados como de apoio à campanha do impeachment”.

Como exemplo, lembram o encontro do senador Aloyisio Nunes (PSDB-SP) em Washington com o subsecretário de Estado para Assuntos Políticos, Thomas Shannon, dois dias após a aprovação do impeachment na Câmara dos Deputados.

Embora a Casa Branca tenha afirmado que não havia planos de o presidente Obama telefonar para Temer após sua posse como interino, o Departamento de Estado, chefiado por John Kerry, expressou confiança nas instituições brasileiras. Além disso, embaixador americano na OEA (Organização dos Estados Americanos) afirmou que o país não vê o impeachment como golpe.

“Estamos consternados em observar que até agora o Departamento de Estado limitou-se a expressar confiança no processo democrático no Brasil, sem notar algumas das óbvias preocupações em relação ao processo de impeachment e as ações tomadas pelo governo interino”, afirma.

(NOTÍCIAS AO MINUTO)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.