Educação

Educação: Enade deve entrar no histórico do estudante

Redação
Escrito por Redação

A nota do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) deve passar a ser incluída no histórico escolar dos universitários. Embora os alunos já sejam obrigados a fazer a prova, o desempenho não tem nenhuma aplicação prática para o estudante. A nota no exame, no entanto, é o principal fator no cálculo dos indicadores de qualidade das instituições de ensino privadas.

A informação de que o Ministério da Educação (MEC) estuda usar a nota dos estudantes foi apresentada ontem no Congresso Brasileiro da Educação Superior Particular. Em dezembro do ano passado, o MEC já havia informado que a nota dos estudantes seria utilizada como quesito de admissão em cursos de pós-graduação. Apesar de já anunciadas, as mudanças ainda não têm prazo para serem colocadas em prática.

“Passou da hora de o ministério adotar esse procedimento e responsabilizar o aluno pela sua nota em prova. É do conhecimento de todos que os alunos boicotam o teste, entregam em branco. Não dá para a avaliação de uma instituição ficar nas mãos de um exame feito sem comprometimento pelo estudante”, disse Sólon Caldas, diretor executivo do Fórum das Entidades Representativas do Ensino Superior Particular.

A nota dos alunos no Enade compõe 60% do Conceito Preliminar do Curso (CPC), indicador de qualidade que é usado para a regulação das instituições de ensino. Os outros 40% são avaliados pela composição do corpo docente e a estrutura oferecida.

“Essa estrutura atual prejudica a instituição e a sociedade, pois é por intermédio dessa nota que uma faculdade pode ficar inabilitada para oferecer vagas no Fies (Financiamento Estudantil) e ProUni (Programa Universidade para Todos).”

Mudanças

O MEC também já havia anunciado em dezembro que o exame será digital e anual para todas as instituições e cursos. Atualmente, a prova é feita todos os anos por um grupo de áreas do conhecimento que se repete a cada três anos. Concluintes de algumas áreas poderão fazer a prova online já a partir de 2016.

“Essa mudança também é muito positiva porque, se a instituição ia mal em uma área, ela tinha de esperar três anos para corrigir essa má avaliação”, afirmou Caldas. Com informações do Estadão Conteúdo.

(Notícias ao Minuto)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.