Cidades

Em Manaus, suspeito de matar comerciante com seis tiros é preso

Altobelly confessou o assassinato por causa de uma desavença em partida de futebol - foto: divulgação/Polícia Militar
Altobelly confessou o assassinato por causa de uma desavença em partida de futebol - foto: divulgação/Polícia Militar
Redação
Escrito por Redação
Altobelly confessou o assassinato por causa de uma desavença em partida de futebol - foto: divulgação/Polícia Militar

Altobelly confessou o assassinato por causa de uma desavença em partida de futebol – foto: divulgação/Polícia Militar

O marceneiro Altobelly Alves Muniz, de 24 anos, foi preso por policiais militares, após assassinar com seis tiros, o comerciante Marath Pacheco Glaúcio, de 23 anos. O crime ocorreu na noite de quarta-feira (7), por volta das 21h, na Avenida Creta, bairro Nova Cidade, Zona Norte de Manaus.

De acordo com as informações de polícia, Marath estava com a esposa, de 21 anos, e a filha, de cinco meses, na frente da distribuidora dele, quando Altobelly e um homem desconhecido chegaram ao local, atirando na direção da vítima.

Após o crime, os suspeitos fugiram. Ferido, Marath foi levado para o Hospital Pronto Socorro Delphina Rinaldi Abdel Aziz, na Zona Norte, mas não resistiu aos ferimentos e morreu na unidade hospitalar.

O titular do 15º Distrito Integrado de Polícia (DIP), delegado Leonardo Valença, informou que o principal suspeito do crime é o marceneiro Altobelly. Ele foi preso de posse de um revólver calibre 38, durante o patrulhamento de policiais militares e confessou o assassinato por conta de uma discussão durante uma partida de futebol.

“A princípio Marath não quis comentar sobre o caso, porém, acabou confessando o crime por causa de uma desavença em um campo de futebol”, explicou o delegado.

Altobelly foi autuado por homicídio e encaminhado para a Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, no Centro da capital amazonense, onde ficará à disposição da Justiça.

Por Josemar Antunes

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.