Cidades

Em nova tentativa de ocupação, mais 200 famílias são retiradas pela Polícia Militar do ‘Cidade das Luzes’

No local, 100 casebres que já haviam sido erguidos foram derrubados por tratores - foto: Correio da Amazônia
Redação
Escrito por Redação

Cerca de 220 famílias que se intitulam como ‘indígenas’ foram retiradas no início da manhã de quinta-feira (3), após voltarem a ocupar o terreno conhecido como ‘Cidade das Luzes’, no bairro Tarumã, na zona Oeste de Manaus. No dia 11 de dezembro de 2015, o local foi desocupado durante ordem judicial. Na ocasião, cinco mil famílias ocupavam o terreno irregularmente.

A ação para a desocupação contou com o efetivo de 45 policiais militares da Ronda Ostensiva Cândido Mariano (Rocam) e 1º Batalhão de Choque. Não houve resistência por parte dos invasores.

O tenente do 1º Batalhão de Choque, Eduardo Reis, disse que as famílias já haviam construído ao menos 100 casebres e estavam ocupando o terreno desde o dia 18 de janeiro deste ano.

No local, 100 casebres que já haviam sido erguidos foram derrubados por tratores – foto: Correio da Amazônia

“Um dia antes da nossa ação, uma equipe do Comando de Policiamento Especial (CPE) notificou as famílias sobre a desocupação. Viemos ao local com o apoio de 45 policiais militares e tudo ocorreu de forma tranquila e sem resistência dos invasores”, informou.

Cidade das Luzes_foto_CA_1

Alguns moradores observaram de longe a derruba dos casebres – foto: Correio da Amazônia

O autônomo Stevenson da Frota, de 25 anos, informou que o terreno pertence ao ‘Parque das Tribos’ e abriga várias etnias existentes no Brasil. Segundo ele, o local é uma Área de Preservação Ambiental (APA) e não uma Área de Preservação Permanente (APP).

“Nós estamos aqui porque o terreno sempre pertenceu ao povo indígena. Não queremos conflito com ninguém, mas sim lutar pelos nossos direitos como índios”, declarou da Frota.

As famílias já estavam ocupando o terreno desde o dia 18 de janeiro deste ano - foto: Correio da Amazônia

As famílias já estavam ocupando o terreno desde o dia 18 de janeiro deste ano – foto: Correio da Amazônia

Durante os trabalhos para a retirada das famílias, dois tratores tipo pá-carregadeira fizeram a demolição dos casebres construídos em compensado e lona. Seis caçambas fizeram o transporte dos pertences das famílias.

Litígio

Em dezembro do ano passado, uma ação dos órgãos do Ministério Público Federal (MPF-AM), Defensoria Pública do Estado (MPE-AM), Defensoria Pública da União (MPU-AM) e Advocacia-Geral da União (AGU-AM) impetraram com a suspensão de decisão judicial que determinava a retirada das mais de 200 famílias indígenas do ‘Parque das Tribos’. A área é de 1,5 milhão de metros quadrados.

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.