Amazonas Colunas Osiris Silva

Em primeiro lugar, planejar(Por Osíris Silva)

Economista Osíris Silva(AM)
Redação
Escrito por Redação
Economista Osíris Silva(AM)

                                                            Economista Osíris Silva(AM)

Antes de pensar na criação de novas reservas, o poder público devia pensar de imediato no resgate de antiga dívida que mantém com a Amazônia e cada uma de suas unidades federativas. Refiro-me à elaboração de plano de desenvolvimento que leve em conta de forma bem estruturada as características sociais, econômicas, culturais e antropológicas da região. Um trabalho em que estejam reunidos o governo ao lado das lideranças políticas, empresariais e laborais, ou seja, os que constroem o dia a dia deste setentrião brasileiro. Nesse sentido, penso não excluir, mas limitar a ação do burocrata de Brasília que não tem ideia exata da dimensão e do que representa a Amazônia no contexto brasileiro e pan-americano.
O ponto de partida para trabalho de tal envergadura é, certamente, o Macrozoneamento Ecológico Econômico da Amazônia Legal – ZEE (decreto federal nº 7.378/2010), cujas diretrizes indicarão ao poder público e sociedade estratégias capazes de conciliar a transição definitiva do improviso, da exploração rasa da floresta para a sustentabilidade. O governo federal reconhece, a partir da medida, que o coração florestal é dotado de recursos naturais que interessam ao mercado mundial e que sua posição é estratégica em relação à integração pan-amazônica, sul-americana e à soberania nacional. O desenvolvimento, por conseguinte, não será alcançado pelo isolamento produtivo da região, mas, sim, via a utilização de seus recursos a partir de técnicas e práticas do século XXI que não destruam a natureza, mas incorporem e atualizem o saber milenar da população local.

O ZEE configura poderoso instrumento técnico de informações sobre as unidades territoriais tendo em vista o planejamento da ocupação racional e o uso sustentável dos recursos naturais, em cujo processo todos terão seu espaço produtivo, povos indígenas e a sociedade organizada. É construído a partir de dados e informações integradas em uma base geográfica que classifica o território segundo suas potencialidades e vulnerabilidades, definindo diretrizes de uso e ordenamento das terras rurais para as unidades do território do zoneamento. De acordo com estudos do Ministério do Meio Ambiente (MME), o objetivo central do MacroZEE é estabelecer indicativos estratégicos de ocupação e uso do território em bases sustentáveis que orientem, na escala regional, a formulação e espacialização das políticas públicas de desenvolvimento, ordenamento territorial e ambientais, assim como decisões dos agentes privados. Visa, portanto, fazer face aos históricos desafios da sustentabilidade face à agenda do desenvolvimento socioeconômico do país e da região.

Tal empreitada exige o concurso de todas as forças de ensino e pesquisa. Com efeito, Inpa, Embrapa, Universidades, CBA, Fucapi deverão trabalhar absolutamente sincronizados. Isto é, pesquisar e desenvolver produtos para o setor produtivo explorar de acordo com o potencial sócio ambiental da região, cuja matriz será determinada pelo ZEE. Essencialmente, os objetivos e metas prioritários devem resultar das vocações de cada mesorregião, dos vales e calhas da bacia. Eleitas as prioridades (piscicultura, mineração, produção de alimentos, biofármacos, biotecnológicos, ecoturismo, e assim por diante) tem-se configurado os passos a serem percorridos ao longo do tempo. Quanto mais precisamente estruturados maiores serão as possibilidades de bons resultados e benefícios sociais e econômicos.

Vale salientar que a exploração da biodiversidade tem por base atividades cujas matérias-primas são extraídas da fauna e flora com uso intensivo da mão de obra local, incluída a indígena. Fundamental o monitoramento, controle, avaliação e permanente medição dos retornos alcançados em cada etapa do projeto de transmudação, de conversão do atual modelo ao futuro paradigma social, econômico e ambiental que deverá expressar-se no novo desenho da economia local. Vencer gigantesco desafio só com muita competência, determinação e visão de futuro.(Osíris Silva é Economista, Consultor de Empresas e Escritor)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.