Mundo

Em protesto a Temer delegados de seis países deixam plenário da ONU

Plenário Assembleia ONU/Foto: Beto Barata(PR)
Plenário Assembleia ONU/Foto: Beto Barata(PR)
Redação
Escrito por Redação
Plenário Assembleia ONU/Foto: Beto Barata(PR)

                                  Plenário Assembleia ONU/Foto: Beto Barata(PR)

O presidente da Costa Rica, Luis Guillermo Solís, abandonou hoje (20), o plenário da Organização das Nações Unidas (ONU), em protesto contra o governante brasileiro Michel Temer, enquanto este fazia o discurso de abertura na 71ª Assembleia Geral da organização, em Nova York, atitude seguida por delegados de Equador, Bolívia, Cuba, Nicarágua e Venezuela, que também deixaram o local.
Em comunicado oficial, o governo da Costa Rica, país latino que busca adotar uma política de neutralidade, afirmou que tem seguido rigorosamente todo o processo diplomático e político em curso no Brasil. Entretanto, o país afirma “estar preocupado com a situação brasileira”.

“Nossa decisão, soberana e individual, de não ouvir a mensagem do senhor Michel Temer na Assembleia Geral, obedece à nossa dúvida ante certas atitudes e atuações, e se pretende declarar sobre práticas democráticas”, diz nota divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores da Costa Rica.

O comunicado acrescenta que o país tem acompanhado os acontecimentos, especialmente os atos de violência ocorridos após o processo de impeachment que afastou a presidenta Dilma Rousseff da chefia do governo.

Procurado pela Agência Brasil, o Itamaraty não se manifestou até a publicação da reportagem.

Discurso brasileiro

Em sua fala, Temer reiterou o compromisso “inegociável” do Brasil com a democracia, citando, inclusive, o processo que resultou no impedimento da presidenta Dilma Rousseff, feito, segundo ele, “dentro do mais absoluto respeito à ordem constitucional”.

Sobre a atual situação política brasileira, pós-afastamento de Dilma, Temer disse trazer às Nações Unidas uma mensagem de compromisso inegociável do país com a democracia. “O Brasil acaba de atravessar processo longo e complexo, regrado e conduzido pelo Congresso Nacional e pela Suprema Corte brasileira, que culminou em um impedimento. Tudo transcorreu dentro do mais absoluto respeito à ordem constitucional.”(Agência Brasil)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.