Mundo

EUA: Cruz supera Trump, e Hillary empata com Sanders, no Iowa

Ted Cruz teve 28%, contra 24% de Trump/Foto: EFE
Redação
Escrito por Redação

O senador Ted Cruz, foi o grande vencedor do caucus (assembleias populares) de Iowa, que abre a disputa pela indicação dos partidos para as eleições dos Estados Unidos ao se impor, ao lado republicano, sobre Donald Trump, enquanto a ex-secretária de Estado Hillary Clinton está empatada com o senador Bernie Sanders no lado democrata.
As assembleias populares de Iowa são as primeiras tão abertas nos dois partidos desde 2008 e marcam o princípio do fim da presidência do democrata Barack Obama, que será substituído em janeiro de 2017 pelo ganhador das eleições gerais de 8 de novembro.

Cruz, no entanto, foi o único que pôde comemorar vitória hoje em Des Moines, algo que atribuiu aos “conservadores corajosos”, a quem pediu que ponham fim a “oito anos de Obama”.

Cruz lembrou que sua vitória, apesar de acirrada, foi devido à alta participação que lhe rendeu o maior número de votos totais na história de um caucus republicano.

No lado democrata, Hillary Clinton, que com a apuração de 95% dos centros eleitorais está empatada em 49% com Sanders, foi a primeira a aparecer para agradecer aos eleitores seu apoio, e voltou a ressaltar que ela sabe “deixar as coisas serem feitas” em Washington, enquanto garantiu que defenderá gays, mulheres, trabalhadores e imigrantes se chegar à Casa Branca.

“Estou com vontade de voltar a debater com o senador Sanders”, afirmou Hillary, que está abaixo de seu rival nas pesquisas de intenção de voto nas primárias de New Hampshire, a próxima reunião eleitoral.

Sanders, um senador independente que se define como “socialista” e que não militou no partido ao qual concorre à indicação, disse: “Estamos enfrentando a maior organização política dos EUA. Estamos virtualmente empatados”.

A façanha de Sanders, que defende o fim da influência do interesse privado na política e não recorreu a uma campanha negativa, o levou a comemorar o empate como uma vitória.

A apuração para saber quem será o vencedor definitivo da noite na disputa democrata pode se alongar por várias horas, mas será apenas uma vitória “moral”, já que, com uma diferença tão pequena, o número de delegados por Iowa que cada candidato levará para a convenção do partido será praticamente o mesmo.

A primeira vítima das assembleias populares que iniciam o processo de primárias para determinar os candidatos presidenciais das eleições de novembro foi o ex-governador de Maryland Martin O’Malley, que não conseguiu obter 1% de apoio na apuração democrata.

“Desde o início pensei que seria de uma profunda pobreza para o partido ter apenas dois candidatos. Obrigado Iowa pelo que me ensinou”, disse O’Malley.

Ted Cruz teve 28% dos votos contra 24% do multimilionário Donald Trump no lado dos republicanos

A mecânica complexa do caucus democrata, que é decidido com a calculadora em mãos e braços ao alto, obrigou O’Malley a se retirar e deixar caminho livre para uma disputa democrata entre apenas dois candidatos.

O ex-governador de Arkansas e pré-candidato republicano Mike Huckabee, cuja única esperança era Iowa, que tem grande presença de religiosos evangélicos, também anunciou sua retirada da corrida presidencial do partido que conta com 12 candidatos.

Dois milhões de eleitores de Iowa foram convocados hoje para as assembleias em cerca de 1.700 colégios, ginásios e igrejas habilitados para esse processo participativo que tem suas raízes nas origens da democracia americana.

O caucus democrata, no qual os partidários de cada candidato devem se reunir à vista de todos, foi o mais caótico e o que desencadeou a saída de O’Malley da equação democrata.

No colégio de Mirrell de Des Moines, O’Malley não conseguiu chegar a 15%, o mínimo necessário, por isso seus partidários tiveram que optar entre Sanders e Hillary, algo que, sem dúvida, se repetiu em todo o estado.

“Todos querem falar com o grupo de O’Malley”, explicou à Agência Efe Kent Frank, simpatizante de Hillary, antes do começo do processo no ginásio da escola. Finalmente, nessa zona urbana de Des Moines, Hillary se impôs com 462 votos frente a 246 de Sanders.

Ted Cruz, que contava com o apoio dos evangélicos, o grupo religioso que decidiu nos últimos anos o ganhador do caucus republicano de Iowa, obteve 28% dos votos, com o que se impôs por uma diferença de quatro pontos percentuais sobre Trump.

Sem ter experiência em política e sem ser do chamado “establishment” (político tradicional), Trump se manteve o tempo todo como favorito nas pesquisas e hoje obteve um elogiável segundo lugar com 24% dos votos, depositados em cédulas anônimas após um debate com representantes de cada candidato.

“Aqui não vão ganhar nem Trump nem Cruz”, afirmou hoje na escola de Mirrell Joe Buxton, um eleitor republicano que reconhecia que nas zonas urbanas de Iowa, ambos têm pouco impulso frente a outros como o senador Marco Rubio.

“Não sei quem ganhará entre os democratas, mas eu vou me proclamar ganhador das primárias republicanas e vencerei Hillary e Bernie”, garantiu Trump em um breve discurso antes de seguir para New Hampshire, estado onde acontece a próxima primária.

Rubio, com 23% dos votos, obteve um terceiro lugar que o mantém como um dos favoritos na ainda longa corrida pela candidatura republicana, que se formalizará na convenção de Cleveland (Ohio), em julho.

Abaixo da marca de 10% ficaram na seguinte ordem: o ex-neurocirurgião Ben Carson, o libertário Rand Paul e o então favorito ex-governador da Flórida Jeb Bush, que só obteve 2,8% dos votos.

Os delegados de Iowa nos convenções republicana e democrata de julho representam um percentual pequeno do total, mas iniciar as primárias com uma vitória pode ser vital. (Terra/EFE)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.