Amazonas Colunas Formal & Informal

Fichas sujas tentam derrubar acórdãos do TCE – por Garcia Neto

Professor e jornalista Garcia Neto
Professor e jornalista Garcia Neto
Redação
Escrito por Redação

A sociologia compreensiva pode muito bem explicar o papel que as crenças religiosas desempenham na vida social das famílias menos favorecidas, carentes de tudo, principalmente de saúde e educação.

Diante dessa mostra de fragmentos da realidade social, pode-se acompanhar pelas redes sociais as manifestações de pseudos pré-candidatos inelegíveis utilizando-se do marketing religioso para fazer política, com objetivo de obter desse eleitorado o sufrágio de seu nome nas urnas de 2 de outubro.

Garantem que Deus está no comando e que a vontade divina oportunizará a realização do tão sonhado crescimento social e econômico e a geração de emprego e renda. Pregam algo fantasioso para que o povo e o povão acreditem em suas propostas mentirosas. Um dos casos mais típicos é o do ex-prefeito do município de Novo Airão, Amazonas.

Ficha suja e inelegível, respondendo a dezenas de processos, Wilton Santos decidiu concorrer a prefeito nas eleições deste ano e está em plena campanha eleitoral. Já distribuiu centenas de santinhos contendo a ressalva de “Que Deus nos abençoe nessa jornada, que o nosso povo nos permita voltar a governar nossa cidade, que Novo Airão volte a ser a cidade que almejamos com + Empregos, + Segurança,+ Saúde, + Educação, + Felicidades onde possamos sonhar e realizar os nossos sonhos”.

Realmente é uma mensagem bem atrativa, capaz de seduzir determinado público alvo, principalmente em se tratando de um Wilton Santos, reconhecido como um político extremamente caridoso, o “paizão da pobreza de Novo Airão”.

No terceiro dia do mês cinco, Wilton ingressou na Justiça com pedido de Ação de Tutela Cautelar Antecipada requerendo a suspensão dos efeitos de uma das sentenças condenatórias que sustou seus direitos políticos. A ação pedia o restabelecimento de seus direitos para fazer o recadastramento eleitoral e o cadastro biométrico junto à 34ª Zona Eleitoral de Novo Airão. Apenas isto. Pela urgência do prazo para o recadastramento, o juiz da Comarca Celso Souza de Paula deferiu no dia 4 de maio a Tutela de Urgência em caráter provisória, sem dar solução final ao processo.

No entanto, ainda inelegível e motivado pelo tipo de personalidade anti-social, Wilton decidiu lançar-se candidato a Prefeito, apresentando apenas, o seu título de eleitor como o principal requisito para concorrer ao pleito e a excessiva publicidade de seu nome junto ao eleitorado de Airão.

Diante das alegações de Wilton, de que o Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM) “anulou” parecer do Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE-AM), que rejeitou suas contas de 2000 e assim teria seus direitos restabelecidos, o juiz Celso de Paula determinou a suspensão temporária dos efeitos da sentença proferida no processo 0001062-90.2013.8.04.5900, que suspendeu os direitos políticos do ex-prefeito.

Político ficha-suja já está com a campanha nas ruas, desconhecendo a Lei Eleitoral.

Político ficha-suja já está com campanha nas ruas, desconhecendo a Lei Eleitoral.

Já está agendado para o dia 21 de setembro audiência de conciliação entre o autor e o Ministério Público (MP), que é o fiscal das leis, que atua na defesa da ordem jurídica e do regime democrático e defende os direitos e interesses da coletividade.

Enquanto a decisão não chega, espera-se que o coletivo eleitoral de Novo Airão analise e reflita sobre as articulações do pretenso candidato Wilton Santos, um político reconhecidamente carismático que vem dando seus pinotes e esperneios para participar da disputa eleitoral, tentando enganar a Deus, à Justiça e a todos. Que fique bem claro, que a Justiça de Novo Airão determinou a SUSPENSÇAO TEMPORÁRIA no processo que suspendeu os direitos políticos de Wilton Santos.

*Garcia Neto é jornalista e professor.

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.