Amazonas Esportes

Flamengo faz 3 a 1 mas Botafogo explora erros e empata: 3 a 3

Camilo e Mancuello disputam jogada/Foto: Lance
Camilo e Mancuello disputam jogada/Foto: Lance
Redação
Escrito por Redação
Camilo e Mancuello disputam jogada/Foto: Lance

Camilo e Mancuello disputam jogada/Foto: Lance

Na primeira partida da Arena Botafogo, o Estádio Luso Brasileiro, da Portuguesa, na Ilha do Governador, o Botafogo mostrou bom futebol, dominou, mas cometeu falhas imperdoáveis na defesa. O Flamengo foi eficaz ao aproveitar as chances. Mas, jogou de forma acuada e acabou punido ao levar dois gols, quando vencia por 3 a 1, também em cochilos da marcação. Assim, num duelo eletrizante e cheio de emoção, o resultado foi empate em 3 a 3. O Flamengo foi para 24 pontos e está no bolo do pessoal que briga pelo G4. O Botafogo, com 17 pontos, se afastou um pouco da zona de degola.
O jogo – que contou com a presença do treinador da Seleção Brasileira Tite – teve destaques. No Flamengo, Everton fez o primeiro gol e teve participação destacada nos gols de Jorge e Guerrero. No Botafogo, o meia Camilo, embora tenha cansado na etapa final, comandou bem as ações do Botafogo no primeiro tempo, dando tranquilidade para o time seguir mandando na partida e marcar com Diogo Barbosa, e, no fim, com Neilton e Salguero.

Como resumo, a situação curiosa. Neste bom jogo (em gramado ruim), o Botafogo foi melhor, mas quem saiu com um empate com sabor de derrota acabou sendo o Flamengo.

O JOGO

O Flamengo das últimas rodadas começava com ritmo forte no ataque nos 20 primeiros minutos, só diminuindo o frenesi no caso de conseguir o gol. Contra o Botafogo, parecia que seria assim, ainda mais com a entrada do veloz Everton no lugar de Fernandinho. Contra o Botafogo, jogou bem mais recuado, deixando o rival tomar as rédeas, cadenciar o jogo e trabalhar a bola na intermediária da defesa do Rubro-Negro.

Havia um certo pânico no Fla com as investidas de Sassá em cima do veterano Juan e Camilo, caindo muito pelo setor do lateral esquerdo Jorge, teve liberdade para tentar lançamentos e cruzamentos, sendo o responsável pela cobrança de escanteio que Lindoso cabeceou na trave de Muralha.

A superioridade em campo também tinha a ver com o jogo acanhado de William Arão (muito vaiado pelo torcedor botafoguense). Por isso, estava na cara que o Flamengo, se quisesse alguma coisa, dependeria de um Mancuello mais ousado. Aos 23, quando o gringo tentou algo efetivo pela primeira vez, cruzou a bola que Guerrero ajeitou para Everton bater e abrir o placar com a colaboração dos zagueiros Renan Fonseca e Emerson, lentos no bote.

A derrota parcial era injusta, pois o Botafogo era melhor. Ele seguiu buscando o gol que saiu dez minutos depois numa jogada em que Jorge fez falta na intermediária, mas o juiz mandou seguir e a bola chegou até o lateral-esquerdo Diego Barbosa que acertou um belíssimo chute de fora da área. Prejuízo em dose dupla, pois enquanto o Alvinegro festejava e Jorge corretamente recebia o amarelo pela falta feia.

O segundo tempo estava insosso, com os times sem inspiração até sair o segundo gol do Flamengo em mais um presente defensivo do Botafogo. Airton perdeu uma bola dominada que Everton tocou para Jorge entrar na área, fazer o gol e desabafar na comemoração já que andava bastante questionado pela torcida.

Com a vantagem que ganhou de presente, o Flamengo começou a recuar. O inoperante Marcelo Cirino saiu para Canteros entrar e dar maior musculatura para a marcação e o Botafogo, nem mesmo com o estreante Canales em campo (no lugar de Sassá), chutava a gol.

O Flamengo não tinha nada com isso e ampliou quando Everton mostrou muito mais vontade na dividida do que Rodrigo Lindoso e tocou para Guerrero.

Seria para fechar o caixão. O Flamengo recuou tratou de deixar o tempo passar. Só não esperava que fosse ele que passaria a cometer falhas infantis. Réver, Juan e Jorge ficaram assistindo a jogada que terminou no gol de Neilton, aos 35. No minuto seguinte, Cuéllar entrou para fechar a defesa e cochilou, junto com toda a marcação, no lance que Salguero (outro que recém entrara) recebeu na entrada da área e chutou para empatar, fazendo mais justiça ao placar, mas deixando os flamenguistas com o gosto amargo de ter deixado escapar uma vitória que parecia certa.

FICHA TÉCNICA
BOTAFOGO 3 X 3 FLAMENGO
15ª RODADA DA SÉRIE A DO BRASILEIRO
LOCAL: Arena Botafogo, Ilha do Governador (RJ)

ÁRBITRO : Flávio Rodrígues de Souza (SP)
AUXILIARES : Danilo Ricardo Simon e Alex Ribeiro (SP)
CARTÕES AMARELOS : Emerson e Airton (BOT) Jorge, Everton, Guerrero e Fernandinho (FLA)
CARTÕES VERMELHOS : –
RENDA E PÚBLICO : R$ 391.830,00/ 9.989 pagantes
GOLS : Everton, 23’/1ºT (0-1), Diogo Barbosa, 33’/1ºT (1-1), Jorge, 13’/2ºT (1-2), Guerrero, 23’/2ºT (1-3), Neilton, 35’/2ºT (2-3), Salguero, 37’/2ºT (3-3)

BOTAFOGO : Sidão; Luis Ricardo, Renan Fonseca, Emerson e Diogo Barbosa; Rodrigo Lindoso, Airton, Bruno Silva (Salguero, 27’/2ºT) e Camilo; Rodrigo Pimpão (Neilton, 14’/2ºT) e Sassá (Canales, 18’/2ºT) . TEC: Ricardo Gomes

FLAMENGO : Alex Muralha; Pará, Réver, Juan e Jorge; Márcio Araújo, William Arão e Mancuello (Fernandinho, 40’/2ºT) ; Marcelo Cirino (Canteros, 15’/2ºT), Everton (Cuéllar, 36’/2ºT) e Guerrero. TEC: Zé Ricardo.(Terra/Lance)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.