Amazonas Economia

Fruto amazônico é utilizado para a produção de sabão, em Uarini (AM)

O piquiá, fruto saboroso, também utilizado na fabricação de sabão/Foto:
O piquiá, fruto saboroso, também utilizado na fabricação de sabão/Foto:
Redação
Escrito por Redação

Encontrado na região amazônica, o piquiá (Caryocar villosum), que na língua tupi, significa “fruto com espinhos” (py, espinho e ki, fruto), é um fruto de marrom-acinzentada, espessa e carnuda, com quatro bagos em forma de rim, composto de uma polpa amarela, aderente a um caroço, muito duro, que contém uma amêndoa comestível e bastante apreciada. O piquiá só pode ser consumido depois de cozido, mas algumas pessoas costumam come-lo também assado. No campo acadêmico, o fruto é utilizado como objeto de estudo científico por cientistas junior, do projeto “Extração do óleo do piquiá para a fabricação do sabão artesanal”, desenvolvido na Escola Estadual Edson Melo, no município de Uarini, distante 565km de Manaus.
O projeto que faz parte do Programa Ciência na Escola (PCE), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), é coordenado pela professora Ana Cristina Gomes da Silva, graduada em biologia e química. De acordo com ela, a escolha pelo piquiá foi justamente para torna-lo mais conhecido e para dar um uso adequado à quantidade de óleo que o fruto apresenta. “O piquiá é um fruto saboroso, porém ainda é pouco conhecido em Uarini, além de poder utilizar sua oleosidade para a produção do sabão ‘artesanal’ na escola, pretendemos tornar a fruta mais valorizada pela comunidade e evitar o desperdício que sempre ocorre”, comentou.

Pelo PCE, já passaram inúmeros outros projetos que reutilizam o óleo para a produção de sabão e/ou sabonete, mas igual ao da professora Ana Cristina, que usa o óleo de uma fruta e não de frituras ou gordura, é o primeiro. E, justamente pelo fato de ser o pioneiro nessa linha de pesquisa, o projeto planeja deixar um legado para que possa ser estudado durante os anos seguintes. “Essa é a primeira parte do nosso projeto, onde pretendemos ensinar como se faz o sabão e ganhar experiência para nos próximos anos, possamos trabalhar na produção de sabonetes e até quem sabe investir no sabonete líquido extraído do piquiá, vai que a Natura se interessa”, disse Ana Cristina sorrindo.

Para a professora Eunice Cezário da Silva, apoio técnico do projeto, a experiência está sendo uma oportunidade de obter novos conhecimentos. “Sou professora de filosofia e não entendia nada de química. Trabalhar na prática ajuda a compreender melhor a teoria e muda os conceitos que tínhamos em relação à disciplina”. Já para a estudante Jokelen Rodrigues, participar do projeto é um desafio inovador. “É tudo muito novo e diferente, estou aprendendo bastante e essa experiência de atuar como cientista junior vamos levar para a vida toda. Percebemos que outros colegas já estão interessados e muitos já querem fazer parte também”, declarou a cientista junior.

Passo a passo do processo

O grupo se encontra uma hora por dia, três vezes por semana e, antes de, literalmente, começar a botar a mão na massa, fazem o estudo teórico das técnicas e os tipos de extração. Como a escola não possui um local apropriado (um laboratório de química por exemplo), a professora e os cientistas jr tiveram que improvisar uma sala onde pudessem fazer suas experiências de maneira segura, mantendo tudo anotado e registrado corretamente. “Esse é um processo simples, mas mesmo assim não pode ser feito em casa, pois trabalhamos com alguns produtos como o hidróxido de sódio (mais conhecido como soda caustica) que é uma base forte e não pode ser manuseado de qualquer maneira”, alerta a coordenadora.

Segundo Cristina, o processo de fabricação de sabão leva geralmente em torno de cinco dias, desde a extração do óleo até a finalização. “Vamos usar maceração (que consiste em amassar ou esmagar uma substância até extrair algo) uma técnica mais simples para retirar o óleo. Depois vamos armazena-los em potes descartáveis fotossintetizantes para não alterar a composição devido a luz. Guardamos por 24h e misturamos com a soda caustica e o álcool. Esperamos cerca de 20 minutos e despejamos nas fôrmas e depois de alguns dias, quando estiver totalmente rígido, nós cortamos o sabão em forma de barra”, explica.

Outras características do Piquiá

O piquiá tem forma esférica, ligeiramente achatado nos pólos, e seu tamanho regula o de uma laranja graúda. A casca, de cor marrom-acinzentada, é espessa e carnuda, com quatro bagos em forma de rim, composta de polpa amarela de 3 a 10 mm de espessura, aderente a um caroço lenhoso, muito duro, que contém uma amêndoa comestível e bastante apreciada. O fruto do piquiá, é originado da árvore de mesmo nome, cujo tronco atinge alturas consideráveis, podendo atingir mais de 30 metros e, por conta do seu elevado valor comercial, quase foi extinta da Amazônia.

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.