Amazonas Destaques Saúde

Fundação de Medicina Tropical realiza estudo inédito em pacientes com Hepatite D

Médico realiza exame m paciente com HB/Foto: Divulgação
Redação
Escrito por Redação

A Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD) e a Fundação Oswaldo Cruz do Rio de Janeiro (Fiocruz/RJ), estão realizando um estudo inédito no mundo, na área de diagnóstico e acompanhamento de pacientes com Hepatite tipo D, causada pelo vírus Delta.

Um dos objetivos do estudo é apontar novas estratégias de monitoramento da evolução do quadro desses pacientes com a adoção, pelo sistema público de saúde, de uma tecnologia que pode substituir o tradicional exame de biópsia. Trata-se de um método não invasivo, que utiliza o mesmo princípio das ultrassonografias, e permite avaliar o nível de fibrose (endurecimento do fígado), informação importante para a definição do tratamento adequado.

A incidência da Hepatite D está restrita a determinadas regiões no mundo, entre elas o Sudoeste do Amazonas. “Este estudo e a contribuição que ele se propõe a dar, têm grande importância para nossa região. A tecnologia que estamos testando, de forma inédita em pacientes com Hepatite D, foi desenvolvida na Europa, já é utilizada em vários países mas, no Brasil, ainda está restrita a alguns serviços privados. Para os pacientes, seria um ganho se o Sistema Único de Saúde pudesse assimilar esta nova tecnologia, que é inclusive mais segura para portadores da doença”, afirma a diretora-presidente da FMT, Graça Alecrim.

Denominado de “Estadiamento da fibrose hepática de pacientes infectados pelo vírus da Hepatite Delta por métodos não invasivos na região Norte do Brasil (Fibro-Delta-Brasil)”, o estudo está sendo conduzido pelo pesquisador Marcus Lacerda, da FMT e Fiocruz/Amazônia; o hepatologista Hugo Perazzo, da Fiocruz/RJ; o gastroenterologista Flamir Victoria e a infectologista Marilu Barbieri Victoria, ambos da FMT. Na semana passada, aproximadamente 100 pacientes com Hepatite D que já são acompanhados pela FMT, foram avaliados pela equipe e submetidos ao exame de Elastografia Hepática Transitória, a técnica não invasiva também conhecida como FicroScan.

Marcus Lacerda explica que o equipamento utilizado no atendimento dos pacientes pertence à Fiocruz/RJ e foi trazido a Manaus especialmente para permitir a coleta de dados para o estudo. “Reunimos os pacientes, muitos deles vindos do interior do Estado e executamos uma agenda de atendimentos, para que todos passassem pelo exame, com o equipamento. Em breve, devemos publicar os resultados do estudo e esperamos poder auxiliar e estimular o Ministério da Saúde na decisão de adotar a nova tecnologia”, disse Lacerda, que também é diretor de Ensino e Pesquisa da FMT.

O gastroenterologista Flamir Victória destaca que a biópsia – o método tradicional de medir o nível de fibrose do fígado – expõe o paciente com Hepatite Delta a alguns riscos. “Os níveis de plaqueta do sangue de um paciente infectado pelo vírus Delta são mais baixos, o que expõe esses indivíduos a um maior risco de sangramento no processo de coleta de amostras do fígado, para a posterior realização de exame histopatológico, em laboratório”, destaca o médico. O Fibroscan, explica ele, permite avaliar o nível de fibrose do fígado num processo que não exige internação, não expõe o paciente a risco de sangramentos e, ainda, com um laudo em tempo real.

O hepatologista Hugo Perazzo, da Fiocruz/RJ, ressalta que o equipamento que realiza a FibroScan tem, inclusive, uma versão portátil que, no caso do Amazonas, tornaria viável a utilização em atendimentos levados ao interior do Estado, sobretudo às áreas de maior incidência da doença, como algumas regiões do Alto e Médio Solimões. “Nosso estudo, de forma inédita, pretende consolidar informações sobre a utilização desta tecnologia em pacientes com Hepatite Delta, de forma a mostrar seu desempenho diagnóstico no estadiamento da fibrose hepática”,  diz Perrazo.

A doença – O vírus D, causador da Hepatite Delta, depende da presença do vírus da Hepatite B para se instalar. A gravidade da doença depende do momento da infecção pelo vírus D. Pode ocorrer ao mesmo tempo em que a contaminação pelo vírus B ou atacar portadores de Hepatite B crônica. Nesse último caso, o fígado pode sofrer danos severos, como evolução para a cirrose.

As principais medidas de prevenção são a vacinação contra a Hepatite B (uma vez que o vírus Delta precisa do B para se reproduzir); uso de camisinha nas relações sexuais (por se tratar de doença que também é sexualmente transmissível), não compartilhar objetos de uso pessoal, como escovas de dente, lâminas de barbear e material de manicure, entre outros perfurocortantes.

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.