Amazônia Pará

Grupamento Aéreo do Pará é alvo de investigação

Redação
Escrito por Redação

Está sob análise do Ministério Público do Estado (MPE) uma série de denúncias feitas por servidores do Grupamento Aéreo de Segurança Pública do Pará (Graesp), com relação a irregularidades que teriam sido cometidas pelo tenente-coronel Josilei Gonçalves de Freitas, da Polícia Militar (PM), comandante da corporação.

DENÚNCIAS

Segundo o diretor-jurídico do Sindicato da Polícia Civil (Sindpol), Rafael Bria, o documento entregue ao MPE, no último sábado (12), tem pelo menos 13 situações que precisam ser investigadas. Entre elas, há a aquisição de uma aeronave modelo EC145, em um processo de compra que começou em R$ 30 milhões e evoluiu para R$ 50 milhões, sem justificativas e sem todos os equipamentos.

Outra denúncia é a própria contratação do tenente-coronel Josilei de Freitas, que já era reformado e lotado em Brasília (DF), na ocasião de sua nomeação para o comando do Graesp, em 2014, algo não permitido pela legislação estadual à época. Há, ainda, envio de amigos de Freitas, sem nenhum vínculo com o Graesp, para cursos no Brasil e no exterior; contrato irregular com uma empresa de taxi aéreo que teria financiado até mesmo festas para o Graesp; cessão de aeronaves para utilização por empresas particulares no município de Terra Alta, no nordeste paraense, entre outros.

Segundo Rafael Bria, quando da compra de um avião modelo Caravam, nos Estados Unidos, ficou acordado que mecânicos do Graesp viajariam até lá para fazer cursos que ensinavam sobre a manutenção da aeronave. “Mas, no lugar deles, foram um mecânico de uma empresa privada e um sub-oficial da reserva remunerada da Aeronáutica, pessoas que nada têm a ver com o Graesp”, diz.

SEGUP

Em nota, a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Segup) informou que a aquisição da aeronave EC 145 faz parte de um convênio entre o Governo do Estado e a empresa Norte Energia, de 2011. Dessa forma, a Segup não se pronunciará. Sobre as denúncias, informa que instruirá a Procuradoria Geral do Estado (PGE) para posterior manifestação. Esta semana, está prevista ainda a abertura de um inquérito na Corregedoria da Polícia Civil, para apurar tudo o que o Sindpol apontou.

(DOL)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.