Brasil Política

´Imunidade parlamentar para acusados de corrupção é injustificável´, diz jornal

Temer só observa/Foto: Beto Barata
Temer só observa/Foto: Beto Barata
Redação
Escrito por Redação

Um editorial publicado pelo jornal americano The New York Times hoje, segunda-feira (06), questiona a firmeza do compromisso do presidente interino, Michel Temer, com o combate à corrupção.
No texto, intitulado “A Medalha de Ouro do Brasil para Corrupção” (em tradução livre), o jornal pede ainda que o novo chefe do governo se posicione pelo fim da imunidade parlamentar para ministros e congressistas acusados de corrupção.

O artigo começa fazendo referência à ficha suja de ministros do governo – entre os quais, sete são investigados por corrupção.

“As nomeações reforçaram as suspeitas de que o afastamento temporário da presidente Dilma Rousseff no mês passado, por acusações de maquiar ilegalmente as contas do governo, teve uma segunda intenção: afastar a investigação (de corrupção)”, escreve o jornal.

Depois, o texto lembra as renúncias do ex-ministro do Planejamento, Romero Jucá, e posteriormente do ex-ministro da Transparência, Fabiano Silveira, que indicaram em conversa telefônica estar tramando para atravancar o avanço da Operação Lava Jato.

“Isto forçou Temer a prometer, na semana passada, que o Executivo não interferirá nas investigações na Petrobras, nas quais estão envolvidos mais de 40 políticos. Considerando os homens de quem Temer se cercou, a promessa soa oca”, julga o editorial.

A única forma de “ganhar a confiança dos brasileiros” é “tomar medidas concretas” contra a corrupção, argumenta o NYT. Uma delas, afirma, é abolir a imunidade parlamentar para políticos acusados de atos de corrupção.

“Esta proteção injustificável claramente permitiu uma cultura de corrupção e impunidade institucionalizadas”, diz o editorial.

“Não está claro quanto Temer pretende avançar no combate à corrupção. Se estiver realmente comprometido, e quiser enterrar as suspeitas sobre a motivação para remover (Dilma) Rousseff, faria bem em defender o fim da imunidade parlamentar para congressistas e ministros em casos de corrupção.”(iG)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.