Brasil Destaques Política

Janot recebe informações da Suíça sobre suposta conta secreta de Cunha

Cunha comandou sessão que aprovou " desaposentadoria"/Foto: Antonio Augusto
Redação
Escrito por Redação

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, recebeu de autoridades da Suíça informações sobre a suposta conta bancária mantida secretamente pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), no país europeu.
O G1 tentou contato com o advogado Antonio Fernando de Souza, que faz a defesa de Cunha, e deixou recado no seu celular, mas não obteve resposta até a última atualização desta reportagem. A assessoria de imprensa da presidência da Câmara informou que não iria se manifestar sobre o caso.

Suposto operador do PMDB no esquema de corrupção que atuava na Petrobras, o engenheiro João Augusto Rezende Henriques afirmou em depoimento à Polícia Federal (PF) que fez uma transferência ao exterior para uma conta do presidente da Câmara dos Deputados. Henriques foi ouvido pela PF na última sexta-feira (25), após ser preso na 19ª fase da Lava Jato.

Os dados da conta bancária de Cunha foram repassadas após cooperação internacional entre os governos do Brasil e da Suíça. Nas informações enviadas à Procuradoria Geral da República, não há detalhes sobre valores mantidos na conta bancária.

Em razão de Eduardo Cunha ter foro privilegiado, o juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato na primeira instância, enviou o trecho do depoimento que menciona o presidente da Câmara para o Supremo Tribunal Federal (STF).

Em despacho decretando a prisão preventiva de João Henriques, Moro escreve que o suposto operador do PMDB confirmou pagamento de propina a um agente político, com foro privilegiado, já investigado pela Lava Jato.

Eduardo Cunha foi denunciado por Janot ao Supremo pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. De acordo com a Procuradoria, o presidente da Câmara recebeu propina de contratos firmados entre a Petrobras e fornecedores da estatal.

Em julho, o ex-consultor da Toyo Setal Júlio Camargo afirmou em depoimento à Justiça Federal do Paraná que foi pressionado por Cunha a pagar US$ 10 milhões em propinas para que um contrato de navios-sonda da Petrobras fosse viabilizado. Do total do suborno, contou o delator, Cunha disse que era “merecedor” de US$ 5 milhões.

Além disso, investigadores da Lava Jato informaram que o lobista Fernando Soares, o Fernando Baiano, também confirmou em sua delação premiada que o presidente da Câmara recebeu, ao menos, US$ 5 milhões em propinas por contratos de locação dos navios-sonda. Baiano é acusado de ser um dos operadores do PMDB no esquema de corrupção que agia na estatal do petróleo.(G1)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.