Amazonas Colunas Paulo Figueiredo

Lula, o senhor das Astúrias (Por Paulo Figueiredo)

Advogado Paulo Figueiredo (AM)
Advogado Paulo Figueiredo (AM)
Redação
Escrito por Redação

Há nesse imbróglio todo descoberto pela Lava-Jato e em outras investigações paralelas fatos incontestáveis, que não foram criados pelos investigadores da Polícia Federal ou pelos procuradores da República, muito menos pela mídia. Existiram e assim foram e estão sendo revelados, com os envolvidos, políticos, partidos, empresas e empresários, no centro dos acontecimentos.
Vamos ao caso do ex-metalúrgico Lula da Silva. Em que pese proclamar-se a alma mais honesta do hemisfério, quiça do universo, sua atuação tem deixado um rastro de suspeição considerável, que o apanha juntamente com sua família. Há uma sucessão de suspeitas e indagações que precisam ser bem explicadas, com a devida e indispensável clareza, a fim de que não pairem mais dúvidas a respeito.

Na chamada Triplo X, mais uma fase da Operação Lava-Jato, identificou-se um apartamento tríplex no Edifício Solaris, em Guarujá, São Paulo, que seria de propriedade do ex-presidente e de sua família. No imóvel, reformado pela OAS, submersa em crimes no escândalo da petrorroubalheira, estiveram Lula, sua mulher, Marisa Letícia, seus filhos e o presidente da empreiteira, Léo Pinheiro, inspecionando as obras em várias ocasiões. A empresa gastou uma fortuna no projeto, inclusive com a colocação de elevador interno e exclusivo para atender a propriedade do ex-presidente, de frente para a praia da s Astúrias, com localização altamente privilegiada. Quanto luxo, poucos da elite brasileira, tão condenada pelo ex-metalúrgico, podem dar-se ao luxo de mordomias tão privativas, também confirmadas por Heitor Gushiken, primo de Luiz Gushiken, ex-presidente do PT e já falecido.

Pois bem, como resposta de Lula, tem-se então as justificativas mais esfarrapadas do mundo e que nunca chegam diretamente pelo indigitado, sempre preservado, uma vez que fala pelo próprio o instituto que leva seu nome. Ora, vejam os leitores, quanto amadorismo na delinquência. Teria apenas adquirido uma cota da Bancoop – Cooperativa do Sindicato dos Bancários de São Paulo, que poderia ou não ser convertida na aquisição do apartamento, ainda assim declarado à Receita Federal. Como se vê, uma explicação sem pé nem cabeça, logo contestada, porquanto não houve qualquer tipo de negocia&ccedi l;ão de cotas, mas somente de unidades habitacionais individualizadas. Sobre a constante verificação dos trabalhos realizados no imóvel, pagos pela OAS e supervisionados pelo menos uma vez por seu dirigente máximo, nenhuma palavra, nenhuma explicação, nada, a não ser o silêncio francamente incriminatório.

No mínimo, uma curiosidade. Na falida Bancoop, que causou prejuízos de milhões de reais aos seus mais de três mil cooperados, muitas das estrelas do PT e do lulopetismo. Desde sua criação, teve-se a presença de Ricardo Berzoini, um de seus fundadores, ex-presidente do PT e agora ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, ao lado de João Vaccari Neto, preso pela Lava-Jato, ex-presidente e ex-tesoureiro da cooperativa, em cuja gestão a sociedade teve falência decretada, sempre muito afeito a lidar com finanças, puras e impuras. Há de igual modo indicações de que o cai xa da cooperativa pode socorrer o PT em algumas oportunidades.

Outra singularidade, após a OAS ter assumido em 2009 a responsabilidade pela conclusão do empreendimento, por solicitação de Lula, surge o nome de vários proprietários com estreita ligação com o PT e o ex-metalúrgico. É o caso da aquisição feita por Simone Godoy, mulher de Freud Godoy, ex-assessor da Presidência da República, antigo segurança de Lula, por Giselda Rose de Lima e Marice Correa Lima, mulher e cunha de Vaccari Neto, com bens já igualmente informados ao Imposto de Renda. Suspeita-se, com base em elemento fortes de convicção, que mais de uma dezena de im&oacut e;veis do Solaris foram usados para lavar dinheiro e pagar propinas aos participantes dos esquemas de desvio de recursos da Petrobras.

As investigações e procedimentos da Lava-Jato, sob a magistratura prudente do juiz Sérgio Moro, largamente vitorioso em todas as suas decisões, ganham altura e torna-se inviável pretender esconder o que salta aos olhos. Em função das circunstâncias, há uma ciranda de personagens com íntimas vinculações, fruto de uma relação promíscua entre o lulopetismo, empreiteiras e o poder na República. Em seu núcleo, como resulta evidente, a figura maior de Lula da Silva, consciente de seu novo status de senhor das Astúrias, sem nenhum laivo de nobreza.

Lula e Marisa Letícia acabam de ser intimados a pedido do Ministério Público de São Paulo e deverão ser ouvidos no inquérito sobre o tríplex de Guarujá, na condição de investigados. O PT e conhecidos áulicos do ex-metalúrgico prometem reagir, inafeitos ao princípio de que ninguém está acima da lei e da ordem jurídica, na democracia e no estado de direito.(Paulo Figueiredo – Advogado, Escritor e Comentarista Político – paulofigueiredo@uol.com.br)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

1 comentário

  • paulo figueiredo é aquele comentarista politico da tv acritica, que criticava senpre o amazonino mendes?? e depois SE VENDEU PARA O PRÓPRIO AMAZONINO JÁ QUE FOI TRABALHAR COM ELE?? interesante.

error: Ops! não foi dessa vez.