Amazônia Pará Política

Lutas sociais e Gov. Federal viabilizam mais uma etapa do Linhão do Marajó

reuniao
Redação
Escrito por Redação

Na quarta-feira, 24/2, aconteceu o lançamento do cabo subaquático na baía do Marajó, etapa fundamental para o Linhão que torna viável a segunda etapa ao Sistema Nacional Interligado (SIN), de produção e transmissão de força elétrica no Brasil, ao Marajó, substituindo as usinas termelétricas a diesel, ainda em funcionamento em grande parte dos municípios marajoaras. A interligação irá possibilitar a substituição das fontes de geração de energia elétrica provenientes de usinas térmicas à diesel, bem como irá permitir a expansão do Programa Luz para Todos no Arquipélago.
Os cabos subaquáticos partem de dois locais, um da praia do Caripi, em Barcarena (Mesorregião Metropolitana de Belém) e outro da praia da Mangabeira, em Ponta de Pedras. Dentro de dez dias, a contar de 24 de fevereiro, haverá a junção dos dois cabos, permitindo a chegada da energia de Tucuruí à subestação de Ponta de Pedras, de lá sendo distribuída ao restante das ilhas. A expectativa é de que, passada a fase de experiência, que deve durar mais dez dias, aconteça a inauguração da subestação no dia 25 de março.

As obras desta segunda etapa utilizarão dois circuitos de aproximadamente 17 km de cabos subaquáticos totalmente isolados e protegidos que conectarão a subestação de Vila do Conde, em Barcarena, à de Ponta de Pedras, na Ilha do Marajó. Elas fazem parte de um convênio firmado pela Celpa com o Ministério de Minas e Energia, contratada junto a Eletrobrás com recursos de financiamento da ordem de aproximadamente R$ 60 milhões. A primeira etapa do projeto, conhecida como Marajó I, concluída em 2013, recebeu investimento na ordem de R$ 179,5 milhões, atendeu aos municípios de Portel, Melgaço, Curralinho, Breves, Baião e Bagre.

Na mesma canoa

O investimento para esta obra foi fruto de convênio entre governo federal, via a Centrais Elétricas do Brasil S.A, (Eletrobrás) e o então Governo Ana Júlia, firmado em 2009. A Pedra Fundamental foi lançada em 25 de setembro daquele ano, em Breves, pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a governadora Ana Júlia Carepa, juntamente com o então deputado federal e atual senador Paulo Rocha, que luta junto com o povo marajoara para ampliar as políticas públicas ao Marajó.

Paulo Rocha sempre colocou seus mandatos à disposição do trabalho para a construção e implementação do Plano de Desenvolvimento Territorial Sustentável do Arquipélago do Marajó, iniciado em 1997, com o movimento “Todos juntos na mesma canoa”.

Aquela mobilização teve como protagonistas trabalhadores rurais, pescadores, estudantes, professores, gestores municipais, vereadores e autoridades religiosas. Paulo Rocha participou, naquele ano, da mesa de abertura do Seminário Todos na Mesma Canoa e reafirmou seu empenho para tornar possível a conquista de uma das principais reivindicações dos moradores do Marajó.

A chegada da energia firme à região é fruto das lutas sociais e da decisão político de um governo que tem compromisso com as reivindicações do povo.

O resgate de Lula

A dívida social do Brasil com o povo marajoara só começou a ser paga quando da eleição e posse do então presidente Lula.

Paulo Rocha, em seu terceiro mandato de deputado federal, intermediou a entrega da Carta do Povo Marajoara ao ex-presidente da República. Paulo Rocha esteve em Portel, no lançamento da Pedra Fundamental da obra do Linhão do Marajó e acompanhou, em 2014, a conclusão da primeira etapa desta obra, que possibilitou o abastecimento de energia elétrica do Linhão de Tucuruí aos municípios de Portel Bagre e mais três municípios.

Papel de Paulo Rocha

“É um momento importante ver iniciada mais uma etapa do projeto que vai levar qualidade de vida ao povo marajoara. É a sensação de dever cumprido, lutar e testemunhar a alegria de um povo tão sofrido, que foi deixado à margem das políticas públicas e do desenvolvimento do país, por conta de uma forma equivocada de gestar as riquezas do Brasil”.

O senador explica também: “No nosso entendimento, o desenvolvimento deve envolver e possibilitar qualidade de vida, dignidade e felicidade também aos pequenos, aos humildes que vivem distantes dos grandes centros urbanos”.

Internet com qualidade

Dos 16 municípios do Marajó, 15 serão atendidos com energia de Tucuruí e Gurupá com a força da usina de Belo Monte. Os cabos de fibra ótica que levam a energia também transportam o sinal de internet, garantindo mais qualidade e rapidez nas comunicações, o que vai contribuir, sobretudo, na área educacional. Com energia e internet de qualidade empreendimentos nos segmentos de turismo, industrialização de pescado, fruticultura e serão fortemente beneficiados.

 

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.