Amazonas Esportes

Má fase de Guerrero e time abalado, colocam Fla em xeque

Grito de gol desandou e Fla preocupa/Foto: Arquivo
Redação
Escrito por Redação

A maré virou no Flamengo. Depois de seis vitórias consecutivas e a permanência no G-4 do Campeonato Brasileiro por duas rodadas, o Rubro-negro contabiliza três derrotas em sequência, e está quatro pontos atrás do grupo que se classifica para a Copa Libertadores de 2016. A má fase de Paolo Guerrero e o abalo psicológico do elenco, deixam o time em xeque no momento de definição na competição.
Além de não conseguir os resultados, o Flamengo jogou mal nas derrotas para Coritiba (2 a 0), Atlético-MG (4 a 1) e Vasco (2 a 1). O clássico do último domingo (27), foi um baque para jogadores e torcida. O clima de desânimo no vestiário e os semblantes de abatimento dos atletas não esconderam a necessidade emergencial de recolocar o Rubro-negro nos trilhos.

“Quando se interrompe uma sequência vitoriosa sempre ficam sequelas. Isso mexe com o comportamento da equipe. O Flamengo tem se abatido quando encontra um revés. Temos uma semana para tentar reerguer as coisas”, afirmou o técnico Oswaldo de Oliveira.

E um dos pontos fundamentais para que o Rubro-negro retome o caminho das vitórias envolve Paolo Guerrero. O atacante peruano não balança as redes desde 23 de agosto e ainda se lesionou gravemente no tornozelo direito.

O camisa 9 voltou mal ao time e está longe de apresentar o futebol esperado. É mais um problema para Oswaldo de Oliveira resolver em tempo cada vez mais curto, já que restam apenas dez jogos para o encerramento do Brasileirão.

“Conheço pouco o jogador ainda, pois tenho pouco mais de um mês no Flamengo. Ele ficou mais da metade do tempo afastado por causa da lesão. Não o conheço bem, mas provavelmente isso o afetou. É questão de conhecimento para ele retomar o que sabe. O Guerrero é muito oportunista, um jogador que tem característica bem definida. Acho que ele voltará a jogar bem”, encerrou o comandante.

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.