Amazonas Colunas Garcia Neto

Mais uma oportunidade perdida – por Garcia Neto

Garcia Neto é jornalista e professor.
Redação
Escrito por Redação

Tudo leva a crer que o eleitor do município de Novo Airão perdeu mais uma oportunidade de fazer uma limpeza completa na política local.

Perdeu a chance de se livrar de políticos infames, que decidem ao bel-prazer concorrer a cargos eletivos apenas para satisfazer ao desejo de bagunçar o processo eleitoral, de promover transtorno psicológico no eleitor menos esclarecido, deixando parcela considerável da sociedade em situação de perplexidade dos fatos diante de tanta insensatez e demagogia.

Professor Garcia Neto.

Professor Garcia Neto.

Nessa mesma linha, mais onze municípios amazonenses ficaram em situação indefinida, com possibilidade de realização de novas eleições. O resultado final da apuração apontou a eleição do ex-prefeito Wilton Santos com 2.458 votos, o equivalente a 28,64% dos votos válidos.

Wilton concorreu sob as rédeas dos bridões judiciais, os quais, após o regular trâmite processual, o pedido de registro de candidatura poderá ser indeferido em caráter definitivo, com base em sentenças condenatórias e em acórdãos e certidões de trânsito em julgado definitivo dos processos TCU nºs. 010.151/2013-3 e 010.477/2013-6, que o deixou incurso na Lei de Inelegibilidade (Lei Complementar nº 64/1990).

Outro fator que colocou a coligação Meu Partido é Novo Airão na contramão do processo são os possíveis óbices detectados na apresentação do Demonstrativo de Regularidade de Atos Partidários (Drap), que poderá comprometer a todos os integrantes da coligação encabeçada pelo ex-prefeito.

A corrida apor uma vaga na Câmara de Vereadores nas eleições 2016 terminou com 6 novos nomes eleitos para o legislativo; somente 3 ficarão para mais um mandato. A partir de janeiro do ano que vem, a população passará a conviver, mais uma vez, com as mesmas sensações de esperança de ver seus representantes cumprindo com suas principais atribuições constitucionais, que é a de fiscalizar as ações tomadas pelo poder executivo, principalmente a boa aplicação e gestão do dinheiro público.

O resultado final do pleito confirmou os índices de rejeição dos candidatos Wilton Santos e Lindinalva Ferreira, que vinham mantendo durante a campanha um percentual de repulsa acima dos 60%.

Dos 9.899 eleitores que compareceram às urnas 6.124 dividiram a preferência entre os demais candidatos, confirmando que jamais votariam em candidato às voltas com a Justiça e tampouco em uma prefeita que nada tinha a apresentar que justificasse sua reeleição.

Diferente das eleições anteriores, o clima de pós-eleição do ex-prefeito resultou num crescente estado de completa desilusão popular com a política que mais parecia o fim de um grande caso de amor.

Contudo, lideranças mais influentes de Novo Airão garantem que não vão desistir da necessidade de renovação, “que poderá garantir o bem-estar no futuro”, e pedem ao povo para não desistir de manter acesa a chama da resistência.

*Garcia Neto é professor e jornalista.

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

1 comentário

  • O que me deixa decepcionada é saber que a nossa justiça é tão injusta, pois eu acredito que se uma pessoa é condenada pelo TCU e tem seu nome listado no “ficha suja”, essa pessoa não deveria nem conseguir se candidatar, mas se o TSE aprova a candidatura de um ficha suja, como nós eleitores podemos acreditar na justiça brasileira?

error: Ops! não foi dessa vez.