Amazônia Mato Grosso

Mato Grosso é rota do tráfico de pessoas

Redação
Escrito por Redação

Nos últimos anos, mulheres e transexuais têm sido os alvos preferenciais dos traficantes de pessoas para fins de exploração. A afirmação é do Comitê Estadual de Prevenção e Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (Cetrap-MT), que aderiu ontem à campanha internacional “Coração Azul”, da Organização das Nações Unidas (ONU).

Uma das coordenadoras do comitê, a tenente-coronel Rosalina Gomes de Pinho, afirmou que não trabalha delimitando vítimas, uma vez que qualquer pessoa em situação de vulnerabilidade pode se tornar uma delas.

“O que vemos hoje são muitos casos de pessoas aliciadas com propostas de trabalho. No caso dos meninos, são levados para falsas escolinhas de futebol, meninas para a exploração sexual, assim como as transexuais”, afirmou.

A campanha, segundo Rosalinda, é para alertar e conscientizar as pessoas para a prática desse crime. Durante a semana, diversas atividades estão previstas para acontecer em vários pontos da cidade.

Após dois anos do estudo divulgado pela Secretaria Nacional de Justiça do Ministério da Justiça (SNJ/MJ), Mato Grosso ainda continua como rota do tráfico humano, especialmente por estar no centro do país.

“Só no Centro-Oeste são 33 rotas de tráfico, mas não temos muitos dados, apenas relatos, que constam o Estado como local de exploração e de exportação de pessoas”, disse a tenente-coronel.

Além do tráfico para fins de trabalho escravo e exploração sexual, há aqueles que são levados para remoção de órgãos, que não é crime no Brasil, mas a prática por trás, o tráfico é. Além da adoção ilegal.

Conforme o SNJ, entre 2005 e 2011 no Brasil, ao menos 475 pessoas foram vítimas desse crime. A maioria é de mulheres entre 18 a 29 anos, bem como adolescentes. A constatação foi feita com base em registros policiais.

Por aqui a realidade não é muito diferente, mas faltam dados. Segundo Rosalina, ainda há aquelas vítimas que abafam o caso, e não registra a ocorrência muitas vezes desconhecer que se trata de um crime e outros por medo.

Panfletagem e orientações estão marcadas para acontecer no Aeroporto Marechal Rondon e nos terminais rodoviários de Cuiabá e Várzea Grande.

Dentre as discussões programadas para acontecer, destaca-se a audiência pública na Assembleia Legislativa, no dia 06 de agosto. Lá, serão debatidos o combate ao crime organizado transnacional e a punição para a prática.

Fonte: Diário de Cuiabá

 

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.