Brasil

Medo da prisão gera brigas na casa de Cunha

cunha-e-mulher
Redação
Escrito por Redação

Só há brigas na casa do deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ). É o que garante uma fonte ouvida pela coluna, e que possui grande proximidade com o presidente afastado da Câmara e com seus familiares. Segundo ele, a jornalista Cláudia Cruz, mulher do deputado, está se descabelando frente ao provável futuro que se vislumbra: a cadeia. Acostumada ao luxo e às caras grifes internacionais pagas com um cartão de crédito ligado ao truste suíço que Cunha diz não ser seu de fato, Cláudia nem cogita ir parar na prisão e passar dias sem fim por lá.

Por causa disso, o alvo constante da “primeira-dama da Câmara” tem sido o marido e agora não mais tão poderoso Eduardo Cunha. Com as armas que tem, Cláudia tem lutado pela liberdade dela e da filha com todas as forças que uma mulher acuada pode encontrar. “Quando mexe com a família, a coisa muda de figura, e Cunha pode sim fazer a delação”, contou a fonte.

Com as pressões de Cláudia, vieram as brigas intermináveis do casal acossado por um inferno astral infinito e sem precedentes no coração da família Cunha.

“O casamento deles está dilacerado, acabou a boa convivência”, contou uma fonte que conhece a vida e a rotina dos Cunha, e que participou do Conexão Empresarial, evento da VB Comunicação em Tiradentes no último fim de semana.

Assim, Cláudia está pressionando Cunha numa jornada implacável de ataques e brigas para que ele faça a delação de tudo o que sabe. “Só assim, ela poderá escapar da cadeia”, disse a mesma fonte.

A jornalista deu uma mostra dos transtornos que pode causar a Cunha em um depoimento à força-tarefa da Lava Jato em Curitiba que a abertura de sua conta no exterior foi sugerida pelo deputado e que ele próprio autorizava os gastos em lojas de luxo. As falas acabaram contradizendo a defesa do marido no Conselho de Ética. Cunha sempre disse não ter qualquer gestão sobre as contas. (Helenice Laguardia)

(O Tempo)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.