Colunas Paulo Figueiredo

Mentiras de pernas curtas (Por Paulo Figueiredo)

Advogado Paulo Figueiredo(AM)
Redação
Escrito por Redação

Quem mente com alguma frequência não consegue mais parar de mentir. Uma mentira puxa outra e assim por diante. É o caso da presidente Dilma, que tem feito declarações e prestado informações mentirosas, todas bem distantes da verdade.
Chegou a tal ponto que Delfim Neto foi levado a citar o filósofo Nietzsche, para quem “as mentiras mais comuns são as que contamos para nós mesmos; as outras são, relativamente, exceções”. Tem-se aqui a consideração de um aliado, czar da economia durante longo período da ditadura militar, amigo íntimo e consultor de Lula.

Autêntico mentiroso é aquele que acredita piamente em suas próprias mentiras. Convence-se de suas inverdades antes de lançá-las ao vento, persuade-se a respeito de fatos falsos, como reais, como se tivessem acontecido. E a situação assume dimensões maiores, quando as disfunções partem da maior autoridade da República.

No outro extremo, a verdade, com a notável força intrínseca que lhe é inerente, fala mais alto e impõe-se em qualquer hipótese. Por isso é que a sabedoria popular diz que é mais fácil pegar um mentiroso do que um coxo. Mais cedo do que se imagina, o mentiroso deixa-se enredar em suas próprias contradições, numa espécie de redemoinho enganoso, sobre o qual termina aflorando a realidade em todos os seus contornos.

Vamos lá. Dilma, do alto de sua arrogância, mas sitiada pela crise, afinal admitiu que errou em ter demorado a perceber que a situação era pior do que imaginava. A contragosto, reconheceu que poderia ter aplicado medidas de reorientação da economia em 2014, mesmo antes das eleições. Ainda assim, insiste em dizer que seria difícil prever o quadro crítico em agosto de 2014, talvez somente possível em setembro, outubro ou novembro, segundo entrevista concedida aos jornais O Glogo, Folha e Estado de São Paulo. Como o uso do cachimbo faz a boca torta, manteve-se fiel às políticas erráticas aplicadas e defendidas ao longo da campanha eleitoral. Não fez nenhum mea-culpa sobre o desastre provocado pela concessão irresponsável de subsídios às contas de energia elétrica e aos derivados de petróleo, cujo reordenamento obrigatório elevou os índices de inflação aos patamares atuais. E, com quanta desfaçatez, permanece sustentando que não sabia de nada e que jamais esperava que pessoas próximas e petistas estivessem envolvidos no escândalo de corrupção da Petrobras.

Bem, logo seria apanhada na mentira. Assessores da equipe do então ministro  da Fazenda, Guido Mantega, vieram a público e disseram com todas as letras que advertiram os escalões superiores sobre a extensão da crise já em curso. O próprio Mantega não foi afastado do ministério à toa, porquanto serviu de boi de piranha, como exigência da representação paulista dos empresários e do próprio Lula, a fim de tentar justitifcar a obstinação no erro da presidente, economista mais do que ninguém nas horas vagas. Se não tomou nenhuma decisão de redirecionamento da economia em momento anterior ao pleito, como parece óbvio, é porque temia que os resultados nas urnas lhe fossem adversos. Preferiu escamotear a verdade, ao proclamar no palanque eletrônico que tudo ia bem, que a situação continuava sob controle, procedimento que mais tarde se revelaria como o mais puro estelionato eleitoral da história recente do país. No final, adotou o programa neoliberal que antes refutara, com projetos que pretende viabilizar com Joaquim Levy, hoje hostilizado pelas alas radicais do lulopetismo.

Teve-se igual orientação sobre a redução do número de ministérios. Na campanha, foi peremptória, ao condenar seus adversários, Aécio e Marina, que anunciavam a diminuição de pastas na Esplanada. Agora, com o governo caindo aos pedaços, tolera a reforma, ainda que para inglês ver,  e diz que é preciso mudar para que tudo permaneça como está, na melhor linha de Giuseppe Tomasi di Lampedusa.

Dilma, a amnésica, não lembra sequer de Erenice Guerra, sua assessora de confiança e sucessora na Casa Civil da Presidência da República, obrigada a deixar o cargo, envolvida em ações ímprobas em benefício de seu filho e de outros, no coração do poder.  Sem nenhuma cerimônia, pretende aumentar a carga tributária, com a reciração da CPMF, sob novo nome e roupagem, como quer seu ministro da Saúde, mais uma vez na contramão do discurso de campanha.

Registre-se, no mais, a curiosa indagação do deputado pernambucano Bruno Araújo: “A presidente Dilma não sabia do petrolão, não sabia da crise, não sabia de nada. Será que ela sabe que é presidente?”.  Um vexame, toda uma gestão pública construída sobre mentiras, ainda bem que de pernas curtas.(Paulo Figueiredo – advogado, escritor e analista político – paulofigueiredo@uol.com.br)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.