Brasil Destaques Política

Ministro da Justiça diz que ações da PF contra corrupção são uma ‘revolução’

Ministro Eduardo Cardozo, da Justiça, em pronunciamento/~Foto: Divulgação
Redação
Escrito por Redação

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, classificou de “revolução”, as operações da Polícia Federal de combate a corrupção que estão submetendo, “pela primeira vez na história, pessoas que têm poder político e econômico ao peso da lei da mesma forma que os pobres.” O discurso foi feito no último dia 18, durante cerimônia reservada de formatura de 600 novos agentes. “Essa é a revolução republicana e a Polícia Federal é um dos agentes dessa revolução democrática, ordeira, disciplinada. Mas uma revolução que fará, para nós, para os nossos filhos e para os nossos netos, um país diferente daquele que nós recebemos.”
Cardozo disse no discurso que para ser um bom policial é preciso “combater práticas criminosas” onde quer que estejam. E exemplificou: “Não importa que se encontrem nos palácios, dentro das mansões ou da nossa própria organização.” E aconselhou os agentes a exercerem suas funções com autonomia.

Criticado pela cúpula do PT por não controlar a PF que tem mirado vários membros do partido, Cardozo fez um desabafo para a plateia formada exclusivamente por autoridades da PF, formandos, seus familiares e convidados. “Quando a Policia Federal castiga opositores, é o ministro que a instrumentaliza com o caráter persecutório para punir adversários. Quando a Policia Federal investiga aliados, é o ministro que é incompetente e não controla a sua polícia. Não é na verdade nem uma coisa nem outra. É fato que um ministro da Justiça, embora tenha seu poder hierárquico na Polícia Federal, jamais deverá utilizá-lo para pedir que se investigue inimigos ou que se poupe amigos.”

O ministro, que é filiado ao PT, afirmou no discurso que se “orgulha da Polícia Federal e do trabalho que ela tem desempenhado no Brasil” e defendeu que as investigações prossigam “doa a quem doer”. Ele não nominou operações nem mesmo a Lava Jato que tem sido alvo de críticas dos seus colegas de partido. “Não raras vezes um paciente que tem uma doença oculta, indolor, se revolta contra o médico quando o outro diz que ele está doente e que pode morrer. Mas, na verdade, é este diagnóstico, é a ação que às vezes pode até ser dolorosa, que fará com que a pessoa sobreviva e saia da situação mais fortalecida. É assim que vivemos hoje no Brasil. Há de se colocar as entranhas para fora, doa a quem doer.”

Cardozo destacou que as investigações sobre corrupção tem o efeito de transformar o Brasil. “O Brasil era o país onde a lei valia para uns, mas não valia para outros. Esta realidade é que vem se transformando e é por isso que acontecem incompreensões quanto ao papel das instituições.” E complementou: “Esta é a dimensão republicana que nós estamos hoje vivenciando no Brasil. E daí os problemas e daí as angústias. Quando a luz do sol se coloca sobre a corrupção, que já existia, nós nos sentimos mal. Mas é bom que seja assim!”

O ministro fez um paralelo entre as mudanças tecnológicas que o mundo tem vivenciado e as transformações no Brasil por consequência do combate à corrupção. “O mundo tem mudado em uma velocidade vertiginosa e, dentro do mundo, o Brasil também tem mudado. Só que no Brasil nós temos visto nos últimos tempos não apenas mudanças tecnológicas. Como nominar estas mudanças? Eu ousaria nominá-las como republicanas.” Ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ayres Brito foi o patrono da turma de novos agentes.

O ministro usou uma história pessoal para exemplificar as mudanças que o País tem vivido. “Eu estava em uma reunião muito importante, quando me pediram com urgência que eu atendesse a um telefonema da minha filha. Eu falei que não podia, mas me falaram ser muito urgente. Fui atender e minha filha dizia: “Pai, você precisa tomar uma providencia imediata, como Ministro da Justiça”. Eu perguntei: “Que foi filha?”. E ela me respondeu que “um juiz tentou tirar o WhatsApp de circulação. Como é que nós vamos viver agora?”. “Há poucos anos atrás, ninguém imaginaria uma realidade dessa.” (Terra/IstoÉ)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.