Amazônia Mato Grosso

MT: Ordem de terror em Cuiabá partiu de dentro da Penitenciária

Redação
Escrito por Redação

A ordem para o terror em Cuiabá, com incêndios a ônibus, motos e carros, saraivadas de tiros em residências de agentes prisionais e assaltos e trocas de tiros com a Polícia Militar, partiu mesmo de dentro da Penitenciária Central de Cuiabá, o Paschoal Ramos. Foi uma longa noite de terror, medo e falta de transporte para a população que precisava se deslocar do trabalho para casa, uma vez que as empresas do transporte coletivo, com medo de novos incêndios recolheu todos os carros para suas garagens.

No final da noite desta sexta-feira a Polícia Militar, que agiu rápido na repressão a onda de violência na Capital mato-grossense anunciou a prisão de mandante do terror. Trata-se de Reginaldo Aparecido Brito, presidiário que está encarcerado na PCC e cumpre 18 anos de prisão por roubos. Segundo agentes penitenciários, um homem violento, que comanda as ações criminosas de dentro da cadeia. Ele teria determinado aos bandidos que estão em liberdade que agissem em represália ao fato de que as visitas às unidades prisionais do Estado estão proibidas devido a greve dos servidores públicos estaduais que reivindicam o pagamento da Revisão Geral Anual – RGA – de 11,28% por parte do governo do Estado.

O outro preso é Fabiano Alailton de Souza, 18 anos, o popular “Peruca”, que já esteve cumprindo pena no sistema penitenciário do Estado e está em liberdade. Ele foi preso no bairro Pedra 90, pouco depois de comandar o incêndio a um ônibus do transporte público de Cuiabá.

‘Peruca’ tem um longo histórico por roubo na Capital. Ele foi abordado por uma equipe da polícia quando chegava a sua residência e tentou reagir. Terminou ferido na boca. Foi levado para a Central de Flagrantes, para onde também foi Reginaldo, que foi retirado da Penitenciária Central para ser interrogado.

Nas primeiras horas deste sábado, enquanto Reginaldo e Peruca eram interrogados, policiais civis informaram que a facção criminosa já havia ordenado que as ações de terror deveriam prosseguir e que não descartavam nem mesmo um atentado ao governador Pedro Taques (PSDB), que segundo eles é o responsável pelo isolamento total dos presos, que estão proibidos de receber visitas e algumas regalias devido a greve dos agentes penitenciários.

O comando da Segurança Público do Estado, no entanto, não confirmou a possibilidade de estarem preparando um atentado ao governador, mas assegurou que as folgas de policiais militares estão interrompidas neste final de semana e que todo o efetivo estará nas ruas para garantir a tranquilidade da população cuiabana e mato-grossense. A previsão é que só em Cuiabá e Várzea Grande, pelo menos 100 viaturas estarão nas ruas.

O secretário de Segurança Pública, Roger Jarbas afirmou que a situação está controlada mas que não pode prever futuras reações criminosas. Ele garantiu que o policiamento foi reforçado na região metropolitana e que os policiais militares e civis realizam rondas para buscar suspeitos.

O secretário confirmou que na manhã deste sábado vai se reunir com as cúpulas das polícias militar e civil para fazer um balanço completo da situação e tomar medidas duras contra a violência. Não descarta nem mesmo promover mudanças dos chefões de facções que estão presos na Penitenciária Central de Cuiabá para outras unidades no interior do Estado e até mesmo pedir ao Governo Federal a transferência destes presos para unidades nacionais. Disse ainda que um levantamento está sendo feito para ver se outros presidiários não estão envolvidos nas ordens que foram dadas aos marginais nas ruas da capital e como estes chefões conseguiram mandar as ordens de dentro da cadeia.

“Ele determinou de dentro do sistema prisional. Nós estamos apurando o formato de comunicação, que não é único. Ele usou vários meios”, explicou o secretário sobre a prisão de Reginaldo Aparecido Brito. Não descarta que estes presidiários possam ter tido a ajuda de agentes penitenciários.

(24horasnews)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.