Brasil

Nelson Barbosa: Esforço fiscal no Brasil vai levar pelo menos dois anos

Ministro Nelson Barbosa(Planejamento)/Foto: Reuters
Ministro Nelson Barbosa(Planejamento)/Foto: Reuters
Redação
Escrito por Redação

O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, disse hoje, segunda-feira (01), em São Paulo, que o ajuste fiscal deve ser mais acelerado que processos semelhantes que ocorrem em outras economias, em razão das elevadas taxas de juros vigentes no país. Ele afirmou que o esforço perseguido pelo Brasil vai durar pelo menos dois anos, ressaltando que o governo está procurando adotar uma postura gradual no reequilíbrio das contas públicas.
— As principais economias estão promovendo consolidação fiscal depois dos esforços dos governos para superar os efeitos da crise de 2008/2009. Nossa estratégia é gradual, mas mais rápida porque no caso do Brasil a taxa de juros que incide sobre a dívida líquida do governo é muito alta. Por isso o ajuste tem que ser mais rápido — disse.

Falando no seminário “O desafio do ajuste fiscal brasileiro”, na Fundação Getulio Vargas (FGV), Barbosa reafirmou que o governo buscará um superávit primário de 1,1% este ano, e de 2% a partir de 2016.

Questionado sobre as projeções mais pessimistas dos economistas para a recuperação da atividade, que só começaria a partir de 2017, e não já a partir do próximo ano, como prevê o governo, Barbosa afirmou que essas projeções são revistas a cada dois meses. Na reavaliação feita semana passada, lembrou, as projeções de crescimento foram reduzidas, tanto para este como para o próximo ano.

— Trabalhamos com um modelo mais próximo aos do mercado, e no nosso cenário vemos o início da recuperação da economia a partir do último trimestre de 2016 — disse.

Quanto aos efeitos dessa demora maior da retomada do crescimento e nas projeções de arrecadação do governo, Barbosa afirmou que, além das receitas correntes com impostos, o governo conta com recursos também com operações no mercado de capitais, como a abertura de capital da Cielo, que tem o Banco do Brasil entre os acionistas, e que por isso propiciou uma receita adicional de R$ 4 bilhões ao Tesouro.

— E há os reajustes e revisões de contribuições, como já fizemos com a Cide, e as desonerações, como a proposta para a folha de pagamento, que tramita no Congresso. São esse ajustes e a revisão das de desonerações que sustentam as expectativas de arrecadação do governo — disse.

DEMANDA POR PROJETOS DE INFRAESTRUTURA

Barbosa dise ainda que há interesse de investidores nacionais e estrangeiros pela infraestrutura no Brasil, afirmando que o setor de construção do país tem condições de executar os projetos.

— O setor de construção tem toda capacidade de atender esses investimentos. Firmas novas, firmas médias e mesmo as firmas que enfrentam alguns problemas — comentou.

O governo brasileiro está prestes a lançar um amplo programa de concessão de infraestrutura, abrangendo ferrovias, rodovias, portos e aeroportos. O lançamento do pacote coincide com um momento em que grandes empreiteiras estão envolvidas no escândalo de corrupção bilionário na Petrobras.

Barbosa disse que a taxa de retorno dos projetos irá refletir a realidade brasileira e que o real mais depreciado em relação ao dólar torna os ativos brasileiros mais atraentes em termos de taxa de retorno.

O ministro também avaliou que as taxas de juros na maior parte do mundo deverão continuar em níveis baixos.

— Mesmo que o Fed (banco central americano) aumente a taxa de juros, mesmo assim as taxas de juros no mundo permanecerão baixas e isso garante que, do lado da oferta, haverá interesse (no programa de concessões brasileiro).(O Globo/Reuters)

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.