Amazonas Formal & Informal

O “Boto” e o prefeito de Codajás podem responder por crime de Caixa-2 no MPF

Cid Marcos Bastos (o Boto) com arma em punho.
Redação
Escrito por Redação

A notícia de que está jorrando dinheiro na campanha do prefeito de Codajás Abraham Lincoln Dib Bastos (PSD), teve efeito devastador na coordenação de campanha do prefeito e causou espanto em toda a cidade. A notícia caiu como uma bomba no colo do primo do prefeito Cid Marcos Bastos (o Boto), responsável por inúmeras postagens onde ele próprio aparece ostentando poder, dinheiro, carros, motos, barcos e desdenhando da população pobre da cidade.

Com base nos fatos vistos em inúmeros vídeos, a advogada Lorena Afonso está entrando com uma representação junto ao Ministério Público Federal, contra Cid Marcos, por crime de caixa 2, prevaricação, abuso do poder econômico, evasão de divisas e outros crimes de dilapidação do patrimônio público municipal, em época de campanha. O Boto é primo do prefeito de Codajás Abraham Lincoln Dib Bastos (PSD e secretário de Comunicação Social do município.

A decisão de processar o Boto foi tomada quando a advogada e mais três juízes, ao verem os vídeos mostrando dinheiro sendo usado como colchão, quantias vultosas sendo carregado em malas, sugerindo que seriam usadas para compra de votos, dinheiro sendo varrido na sala do primo do prefeito, dando a entender que era resultado de uma festa no dia anterior e distribuído em forma de pagamento a uma moça, supostamente em um quarto de motel, sugeriram que esse caso deveria ser levado às autoridades eleitorais e Ministério Público e até à Polícia Federal.

“O volume de material coletado, tanto nas redes sociais, sites e na própria página do Facebook do primo do prefeito Abraham Lincoln, são mais que suficientes para incriminá-lo”, antecipou uma fonte da cidade de Codajás. O próprio Cid Marcos, depois que visualizou a notícia do portal Correio da Amazônia “Sobra dinheiro e ostentação na campanha do prefeito de Codajás Abraham Lincoln”, apontando os canhões diretamente para ele, se descontrolou, fazendo inúmeras postagens, tentando minimizar o problema que ele vai enfrentar na justiça, ao postar vídeos tão comprometedores como os publicados aqui, na notícia anterior.

No destempero, o Boto tem ameaçado os repórteres do Correio da Amazônia na sua página pessoal do Facebook e nos comentários da notícia, no site. Ele não sabem quem somos, mas diz que a notícia é falsa e que o site é comprado. O desespero por ter sido “pego de calças curtas” é tamanho, que agora passou a produzir material apócrifo contra o principal candidato da oposição Joel Oliveira (Pros), e aos “fantasmas” que hoje povoam sua mente deslumbrada pelo acúmulo de riqueza fácil.

Cid Marcos Bastos (o Boto) em uma prai famosa de Fortaleza.

Cid Marcos Bastos (o Boto) em uma prai famosa de Fortaleza.

Nota de redação: o portal Correio da Amazônia prima pela divulgação dos fatos. A notícia com o título: “Sobra dinheiro e ostentação na campanha do prefeito de Codajás Abraham Lincoln”, foi incentivada pelo sr. Cid Marcos Bastos (o Boto), ao sair publicado fotos e vídeos seus com somas vultosas de dinheiro, carros de luxo, barcos, Jet-Ski numa ostentação descabida para um município carente de empregos, serviços básicos e benefícios para a população. A notícia publicada aqui, portanto, se ateve unicamente a esses fatos. O sr. Boto está querendo distorcer as coisas, para, talvez, numa tentativa de se desculpar pelo prejuízo causado à campanha do seu primo, o prefeito Abraham Lincoln Dib Bastos (PSD), que a essa altura, deve estar puxando-lhe as orelhas.

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

1 comentário

  • Onde posso encontra a advogada que está processando esse canalha? Ele me enganou em um carro, me vendeu, disse que o carro era quitado e não era. A oficial de justiça me tomou o carro e fiquei no prejuízo de 14 mil reais, por favor, preciso achar essa advogada! A advogada que está processando esse bandido.. Ele é sujo, enganou muitas pessoas, divulgem mais fotos que aparecerão mais vítimas desse bandido

error: Ops! não foi dessa vez.