Amazonas Cultura

‘O Vôo do Corvo’ mostra a cara da dança contemporânea no Amazonas

Espetáculo mostrará a dança contemporânea do Am/Foto; Nathalie Brasil
Redação
Escrito por Redação
Espetáculo mostrará a dança contemporânea do Am/Foto; Nathalie Brasil

           Espetáculo mostrará a dança contemporânea do Am/Foto; Nathalie Brasil

O Instituto Manaós, em parceria com o grupo Dança Amazonas, fará a estreia do espetáculo de dança contemporânea “O Vôo do Corvo” no Teatro Amazonas, na sexta (26) e sábado (27), com venda de ingressos a preços populares na bilheteria.
O projeto apoiado pela Secretaria de Estado de Cultura, foi premiado pela Manasucult, em 2016, pelo edital 03/2015 – Concurso-Prêmio Manaus Conexões Culturais, produção em dança.

Com a direção artística e concepção de Jorge Kennedy, direção teatral de Tiago Oliveira e participação especial da atriz Vanessa Pimentel, o espetáculo apresenta uma nova possibilidade de relação com as danças urbanas, possível através da utilização do caráter universal da linguagem da dança.

Inspirado no texto “O Vôo do Corvo Sobre os Jardins da Torre de Babel”,  O Voo do Corvo é uma alegoria fantástica da modernidade urbana e seus conflitos de comunicação e inter-relação humanas, via utilização das danças urbanas como referência simbólica dessa dificuldade de se fazer entender, que tem origem explícita na profunda diversidade existente entre os seres humanos.

O título da produção, inspirada no texto do pensador inglês Michel Oakeshott, nos revela uma visão onírica inspiradora, do corvo com seu magnífico voo nas alturas, observando os homens em sua louca aventura de chegar aos céus, por meio da construção de uma Torre Colossal. Tudo isso sem perceberem a insanidade do projeto, devido sua paranoia de alcançar o paraíso a qualquer custo. O corvo apenas observa a maldição de o resultado da maldição divina, manifestada pelo não entendimento das línguas, gerando o conflito, a balbúrdia e a bagunça na impossibilidade da comunicação.

Processo Criativo

O interesse do coreógrafo pelo tema surgiu através de sua longa experiência trabalhando com artistas de danças urbanas nas escolas públicas da região, por meio do Projeto Jovem Cidadão, administrado pelo Governo do Amazonas.

A observação constante do grupo de dançarinos e instrutores do projeto, de suas performances e  variações individuais desse estilo, assim como a utilização da linguagem movimentos extremos do corpo, na luta constante até agressiva de expressão levou o artista a imaginar uma verdadeira Torre de Babel na qual estamos todos inseridos. A visão do coreógrafo apresenta dança, teatro, música e os demais elementos cênicos, integrados e presentes nas “batalhas de expressão intermináveis”, profundamente influenciadas pela globalização e  tecnologia.

O elenco será composto por dançarinos e bailarinos dos mais diversos estilos de dança, que definem um “ajuntamento de artistas da dança”, representante de expressões de toda cidade, denominado Dança Amazonas. A equipe composta de 20 pessoas já se encontra em processo de preparação artística de criação, composição e desenvolvimento técnico. Dessa maneira, o espetáculo será também uma redescoberta de nossa cara na dança.

Com 1 hora de duração, o espetáculo contará com artifícios cênicos multimídia na exploração do tema em seus aspectos mais expressivos e tem no seu elenco dançarinos experientes como Felipe Garcia, Carla Malcher, Klinger Trindade, Rodrigo Gama, Ana Deborah, Antheyson Aguiar, Bertrand Radge, Anderson Mendonça, Hebrom Barbosa, Marcelo Steel e Lina Acevedo.

A ficha técnica é composta também por nomes importantes do contexto artístico de Manaus: Waldir Junior e Sandra Santos (Produção Executiva), Otoni Mesquita (Criação Cenográfica), Mizael Negreiros (Téc. Som), Ronaldo Aguiar (Iluminador), Juliana de Oliveira (Designer Gráfica/Ilustradora), Wesley Santos (Fotografo), Marcos Tupinambá (Dir. de Produção de Vídeo),  Saleyna Borges (Produção Gráfica) e Mariane Garcia (Confecção de Figurino).

Comentários

comentários

Deixe seu comentário

error: Ops! não foi dessa vez.